Ministério do Turismo investe em obras de acessibilidade

Compartilhe:

O Ministério do Turismo está financiando 14 projetos que envolvem acessibilidade no turismo. O objetivo é incluir cerca de 45 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). São obras como a reforma da Orla de Olinda, em Olinda, e da Praça da República de Recife, ambas em Pernambuco. No total, o Ministério do Turismo vai investir R$ 109 milhões em acessibilidade até a Copa de 2014.

Leis e decretos federais estimulam o turismo a se adaptar para receber pessoas com deficiência. Para o diretor de Infraestrutura Turística do Ministério do Turismo, Neusvaldo Ferreira Lima, iniciativas desse porte devem ser incentivadas em todo o País. “As cidades precisam se adaptar às necessidades desses turistas. É preciso eliminar as barreiras”, disse.

A Secretaria Municipal de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Natal (RN), no último domingo, dia 4, promoveu um evento de lazer esportivo na Praia de Ponta Negra para pessoas com deficiência, o OrtoRio, e ofereceu modalidades como vôlei, futebol, surf, caiaque e peteca adaptadas às necessidades dos competidores.

Algumas cidades brasileiras se destacam por oferecer hotéis com quartos e banheiros adaptados, restaurantes com cardápios em braile e informações acessíveis a deficientes auditivos e serviços de transporte adaptados. Entre elas, estão Maceió, a capital com o maior percentual de quartos de hotéis adaptados para receber visitantes com mobilidade reduzida, e Socorro, cidade paulista com uma estância hidromineral adaptada para cadeirantes.

Entre as cidades turísticas brasileiras mais visitadas, São Paulo se destaca pelos museus com catálogos em braile e audioguias, como a Pinacoteca do Estado, o MASP, o Museu do Futebol e o Museu da Língua Portuguesa, e por oferecer maior rede hoteleira adaptada, com 511 quartos. Já o Rio de Janeiro oferece elevadores-plataforma que dão acesso às bilheterias e à área de embarque do Pão-de-açúcar.

Em turismo de aventura, destacam-se a Chapada do Guimarães (MT), com trilhas para deficientes visuais no Espaço Turístico Chapada Aventura. A trilha possui cordões e sinalização tátil. Em Brotas (SP), monitores de várias operadoras receberam treinamentos para conduzir os turistas com deficiências, especialmente nas modalidades rafting, arvorismo e tirolesa.

Fonte: Brasilturis

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *