Escolas especiais da região de Canoas (RS) temem futuro de alunos com deficiência

Compartilhe:

Preferencialmente. É essa palavra que vem sendo motivo de discussão entre professores de educação especial e especialistas em inclusão de todo o Brasil. Está em tramitação no Senado o Plano Nacional de Educação (PNE) 2011-2020, que definirá diretrizes e metas, seguidas de estratégias a serem cumpridas pelas escolas. O que está em debate é o texto da Meta 4, que determina o atendimento aos alunos com deficiência na rede regular de ensino, ou seja, em escolas comuns. Uma mobilização da Federação Nacional das Apaes, que foi acompanhada por outras instituições de atendimento especializado, passou a cobrar do Ministério da Educação (MEC) a inclusão da palavra ‘preferencialmente’ no texto original.

De acordo com eles, caso essa mudança na redação da Meta 4 não seja concretizada, as Apaes estariam condenadas ao fechamento, assim como muitas entidades especializadas. O motivo seria o fim de repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). Em outras palavras, a questão remete ao receio, por parte de escolas e pais, sobre o futuro dos alunos dentro de uma nova realidade. Outra questão defendida é que as famílias precisam ter o direito de escolha entre matricular os filhos na escola regular ou especial, opção que a meta 4 não oferecia.

O MEC se defende dizendo que as Apaes não estão fadadas ao fim. Conforme o Ministério, uma das ações que vai garantir o atendimento diferenciado é o financiamento, por meio do Fundeb, da matrícula dos estudantes com deficiência nas escolas regulares e também o financiamento do atendimento educacional especializado. Essa modalidade poderá ser feita na escola durante o período do contra turno ou em instituições especializadas. Não há previsão de o PNE entrar em votação e até lá a discussão promete.

Fonte: Diário de Canoas

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *