Subprefeituras de São Paulo terão supervisor de acessibilidade

Compartilhe:

As Secretarias Municipais da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED) e de Coordenação das Subprefeituras publicaram, no dia 21/8, Portaria no Diário Oficial do Município estabelecendo que um servidor público (arquiteto ou engenheiro) de cada uma das 32 subprefeituras da cidade será designado como responsável por acompanhar os projetos e obras, observando os critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida, incluindo a supressão de barreiras e de obstáculos nas vias e espaços públicos.

Será criado também um grupo formado por integrantes das duas secretarias e que coordenará as atividades realizadas pelos Responsáveis Técnicos para Assuntos de Acessibilidade das Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida, como serão denominados os supervisores nas subprefeituras. Na prática, esses profissionais farão a interlocução com a Comissão Permanente de Acessibilidade (CPA), órgão vinculado à SMPED, que oferecerá o suporte técnico e legal referente às normatizações vigentes sobre rampas, calçadas, piso tátil, inclinações, espaçamentos, dentre outras. Os supervisores não terão o papel de fiscalização, que já é feito pelos agentes vistores das subprefeituras, mas poderão fornecer os subsídios técnicos do que deverá ser fiscalizado.

De acordo com o engenheiro da CPA, Oswaldo Fantini, o intercâmbio de informações entre os técnicos da SMPED e os profissionais em acessibilidade nas subprefeituras servirá para desmistificar esse assunto e agilizar a resolução de problemas. “Esses profissionais estarão melhor preparados para realizarem e acompanharem desde pequenas reformas e manutenções até novas obras”, afirmou.

Fonte: Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *