Catavento Cultural e Educacional tem visitação com acessibilidade

Compartilhe:

O Catavento Cultural e Educacional, museu de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, criou um roteiro específico para atendimento a pessoas com deficiências físicas, intelectuais, visuais e auditivas, com adaptação do conteúdo abordado a cada tipo de necessidade.

O Catavento Acessível proporciona uma visita diferenciada, com ênfase na associação do conteúdo científico de suas instalações com o dia a dia do visitante, de forma lúdica e pautada por exemplos práticos, explorando o lado sensorial para estimular a interatividade do grupo com as atividades propostas.

“A ideia é que as pessoas que têm deficiência recebam atenção de acordo com as circunstâncias, para que possam fazer parte do todo. Queremos inseri-las no contexto do Catavento e possibilitar que elas usufruam de todas as possibilidades que o espaço oferece”, esclarece Aline Campana, gerente de visitação do Catavento.

Segundo Aline Campana, o trabalho de aperfeiçoamento desse roteiro é contínuo: “Nossa equipe desenvolve pesquisas e testes no espaço para melhor desempenhar o atendimento, sempre procurando entender as limitações e dificuldades de cada um desses visitantes. Suas limitações ou dificuldades não podem fazer diferença”.

O roteiro Catavento Acessível é realizado de terça-feira a sexta-feira, no andar térreo do Catavento. A capacidade diária de atendimento é de 160 pessoas. Para agendar, basta preencher o formulário de solicitação no site www.cataventocultural.org.br.

Serviço
Catavento Cultural e Educacional
Onde: Palácio das Indústrias – Praça Cívica Ulisses Guimarães, s/no (Av. Mercúrio), Parque Dom Pedro II, Centro – São Paulo/SP
Telefone: 11 3315-0051 – atendimento das 11h às 17h
Quando: terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h)
Quanto: R$ 6 e meia-entrada para estudantes, idosos e pessoas com deficiência. Entrada gratuita aos sábados para todo o público
Como chegar: www.cataventocultural.org.br/mapas.asp
Acesso por transporte público: estação de metrô Pedro II e terminal de ônibus do Parque Dom Pedro II
Estacionamento: R$ 10 até 4 horas (para visitantes do museu). Adicional por hora: R$ 2,00 (capacidade para 200 carros). Ônibus e vans: R$ 20,00
Infraestrutura: acesso para pessoas com deficiência locomotora.

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *