Ter diploma é muito gratificante, diz mineira tetraplégica que fez ensino a distância

Compartilhe:

A pedagoga Luciana de Lima Santana, 32 anos, não poderia imaginar que nove anos depois de um grave acidente de carro que a deixou tetraplégica, ela estaria trabalhando como educadora e cuidando pessoalmente dos detalhes da formação da filha, de 12 anos.

A tragédia alterou radicalmente a vida de Luciana, mas a mudança mais importante, classificada por ela, foi conquista do curso superior a distância pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) em 2011.

"Eu me sinto muito realizada. Ter um diploma da faculdade foi muito gratificante para mim e para minha família. Eu gosto de me ver como um exemplo de superação. Não vejo com heroísmo, mas como exemplo. Na vida, se algo ruim acontece, a gente deve buscar outros caminhos", afirma.

Ela conheceu o ensino a distância por meio de uma reportagem em uma TV regional e ficou interessada nos cursos oferecidos pela UFJF. Antes do acidente, havia concluído o ensino médio, um curso técnico em meio ambiente e iniciado o técnico em enfermagem. No entanto, uma paixão da adolescência – a pedagogia – falou mais forte e influenciou a escolha no vestibular. O concurso foi realizado em casa, em um período em que Luciana ainda ficava deitada se recuperando do acidente. Um professor aplicou a prova oral para a candidata, que conseguiu aprovação.

Luciana mora em Ilicínea, cidade que fica a cerca de 300 quilômetros de Belo Horizonte (MG). No município há um polo da UAB, no qual a estudante se matriculou com apoio de um irmão e das coordenadoras da unidade. Durante quatro anos teve que aprender a sentar, firmar os braços e a digitar para participar das atividades online da graduação.

"Tive uma grande evolução, pois não tinha coordenação nos braços e na mão. Com o tempo consegui teclar sozinha. Antes eu lia textos e precisava de alguém para digitar os trabalhos. Hoje faço sozinha. Foi uma evolução psicológica, física e social", conta Luciana. Quem antes ficava em casa, respeitando limitações físicas, fez amigos nos encontros e atividades presenciais com a turma de pedagogia.

Atualmente, Luciana dá aulas particulares de todas as matérias para alunos do ensino fundamental e está terminando a pós-graduação a distância em Educação Empreendedora pela  Universidade Federal de São João Del-Rei (UFJS). "Conheci um mundo que estou apaixonada", comenta Luciana sobre a pedagogia. O maior orgulho dela é acompanhar de perto a educação da filha de 12 anos, podendo aplicar o que estudou na teoria da graduação.

Outras histórias

A segunda graduação de Marlene Simões, 48, foi de pedagogia. E a distância. Moradora de Guapé, um pequeno município mineiro a cerca de 300 km de Belo Horizonte, ela optou pelo ensino a distância) com a intenção de suavizar a rotina de estudante. O polo de Ilicínea, em que ela fazia algumas aulas e as provas, fica a 30 km da sua cidade. E o seu diploma é da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), que reúne atualmente 3.700 alunos na modalidade a distância.

A expectativa é grande para a colação de grau que deve acontecer em fevereiro de 2014. O operador de máquinas do  Departamento Municipal de Limpeza Urbana (Demlurb) de Juiz de Fora, Luiz Carlos Figueiredo, 33, está quase se formando em Administração Pública, graduação cursada pelo ensino a distância na UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora).

Fonte: UOL 

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *