Primeira Central de Interpretação de Libras de Minas Gerais começa a funcionar em outubro

Compartilhe:

A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) inaugura em outubro, em Belo Horizonte, a primeira Central de Interpretação de Libras (CIL) do Estado. O anúncio foi feito em 24/09 pelo secretário adjunto de Desenvolvimento Social, Juliano Fisicaro, durante o seminário “Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência”, realizado, no auditório da Fumec, pela Coordenadoria Especial de Apoio e Assistência à Pessoa com Deficiência (Caade), em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte. Outra unidade, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, começa a funcionar em novembro. Já a de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, inicia suas ativdades em dezembro.

As centrais vão auxiliar as pessoas com deficiência auditiva em qualquer demanda, como consultas médicas, audiências em fóruns, seleção de empregos, entre outras. O atendimento será feito por dois intérpretes de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais) em cada unidade. Os interessados vão poder agendar os serviços, prestados de forma presencial, com o intérprete indo ao local da demanda, ou pela web.

A unidade da CIL/Belo Horizonte vai funcionar no 5º andar da Casa de Direitos Humanos (CDH), localizada na avenida Amazonas, 558, no Centro da capital mineira. A Sedese já está finalizando a contratação dos intérpretes para dar início ao serviço, cujo número do telefone será divulgado em breve à população.

Um convênio da Sedese com a Secretaria Nacional da Pessoa com Deficiência do governo federal já garantiu às Centrais de Libras um carro para cada unidade. Inicialmente, os serviços vão estar disponíveis das 8h às 17h, mas a intenção da equipe Sedese é ampliá-lo, para que o atendimento esteja disponível 24 horas.

“Se o deficiente auditivo vai ao médico ele, muitas vezes, tem dificuldades de manifestar os sintomas; se precisa ir ao banco, às vezes também não consegue verbalizar o tipo de serviço que deseja. Então, nós temos em Minas uma lei que obriga todos os equipamentos públicos a terem um intérprete de Libras. E esse profissional vai auxiliar a pessoa com deficiência auditiva nas suas atividades sociais, para desenvolvê-las de forma mais adequada”, explica Juliano Fisicaro.

Seminário

Na abertura do seminário “Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência”, Juliano Fisicaro afirmou que é muito importante diversificar e regionalizar as políticas públicas voltadas para as pessoas com deficiência no interior de Minas. “Nós, do Estado, temos um desafio muito grande, que é implementar a política da pessoa com deficiência, promovendo seus direitos em toda Minas Gerais”, disse.

Juliano Fisicaro lembrou que é inadmissível, hoje, se falar em ajuda às pessoas com deficiência quando, na realidade, o que existe é a promoção dos direitos. “Eles têm direitos. Isso é a conquista mais nobre. Hoje temos marcos legais fundamentais, mas são necessárias ações para materializá-los, pois nada anda sozinho”, afirmou. Durante o evento, o secretário fez uma explanação sobre as ações que estão sendo desenvolvidas dentro do Plano Estadual de Direitos da Pessoa com Deficiência em Minas Gerais – o “Minas Inclui”.

Hoje, em Minas, segundo o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia (IBGE), 4,43 milhões de pessoas têm deficiência. No entanto, uma das grandes barreiras enfrentadas por elas ainda tem sido a falta de informações para acesso aos serviços disponíveis na rede de atendimento. Em muitos casos, os recursos existem, mas o acesso é dificultado por preconceito, discriminação, negligência e até mesmo por falta de conhecimento sobre as dificuldades enfrentadas por essa população.

Durante o seminário, foram realizados painéis com todas as secretarias do Estado, abordando temas como trabalho e qualificação profissional, acessibilidade, educação, cultura, saúde, reabilitação, órtese e prótese, além de tecnologia assistiva e assistência social, como forma de facilitar o acesso da população a esses serviços.

O seminário faz parte da 19ª Semana da Pessoa com Deficiência – Inclusão sem Limite é Direito de Todos!. A ação integra as comemorações do Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, celebrado no último dia 21.

Além de Juliano Fisicaro, o evento contou também com as presenças da subsecretária de Estado de Direitos Humanos da Sedese, professora Carmen Rocha, a secretária Municipal de Políticas Sociais de Belo Horizonte, Gláucia Brandão, entre outras autoridades municipais e estaduais.

Fonte: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese)

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *