Iniciativas pioneiras colocam esporte e lazer ao alcance de deficientes no Brasil

Compartilhe:

O hábito de pedalar tem conquistado cada vez mais adeptos no Brasil. Como forma de lazer – nos passeios ciclísticos, "bicicletadas" noturnas e nos parques nos finais de semana –, ou de transporte, andar de bicicleta pode ser considerado algo simples, principalmente para quem enxerga bem. Para os deficientes visuais, entretanto, trata-se de uma atividade desafiante.

Da mesma forma, banhar-se em alguma das praias espalhadas pelos mais de 7 mil quilômetros do litoral brasileiro também pode ser bastante difícil para quem depende, por exemplo, de uma cadeira de rodas para se locomover.

Alguns projetos, em vários pontos do Brasil, oferecem alternativas para que pessoas com deficiência visual ou cadeirantes também pratiquem essas atividades. Criados a partir de iniciativas individuais, com apoio de empresas, ONGs, governos regionais e também de voluntários, esses projetos locais servem de exemplo e têm sido reproduzidos.

Criado em 2004 em Brasília, o projeto DV na Trilha é um exemplo da parceria entre voluntários e instituições locais, que juntaram esforços para que deficientes visuais pudessem andar de bicicleta. Munidos de 20 bicicletas Tandem, com dois lugares – um para o condutor, o outro para o deficiente visual –, o grupo se reúne quinzenalmente no Jardim Botânico de Brasília e participa de eventos esportivos na cidade.

"A impressão que temos é que muitas pessoas estavam apenas esperando uma oportunidade para fazer o bem. Bastou apresentarmos a possibilidade para que elas ajudassem e virassem voluntárias ou apoiadoras", conta Simone Cosenza, uma das coordenadoras do projeto.

No Rio Grande do Sul, outro projeto, pensado pelo empreendedor social Josué Aguar, da ONG Embrião, também promove inclusão de deficientes visuais. A organização, cuja sede está localizada na cidade de Alvorada, região metropolitana de Porto Alegre, já fazia passeios ciclísticos na semana do meio ambiente. Os deficientes visuais começaram a querer participar.

"A gente se sentiu na obrigação de criar uma bicicleta especial e aí surgiu o ODKV (o de cá vê)", explica Josué, fazendo referência ao formato do aparelho, que é a junção de duas bicicletas com barras paralelas. O primeiro modelo foi produzido com a ajuda de amigos serralheiros, usando duas bicicletas antigas que ele tinha em casa. Hoje, o projeto recebe doações de voluntários e de instituições como delegacias, e já inspirou outras instituições em Sergipe, na Bahia e em Alagoas.

Além de ampliar o círculo social – tanto dos voluntários, como dos deficientes –, os encontros do grupo DV na Trilha também ajudam no desenvolvimento de habilidades esportivas. "Eles começam a perceber diferenças também no seu corpo, em função da prática do esporte e, como sempre estamos participando de competições, eles têm a oportunidade de receber medalhas de participação", relatou Simone Consenza, do DV na Trilha.

Um exemplo dessa possibilidade de profissionalização é o ex-treinador de cães e hoje atleta Adauto Belle, que perdeu significativamente a visão aos 18 anos. Ele conheceu o projeto enquanto treinava um dos cães de Simone, em 2007, e desde então vem superando metas. "Eu sou meio exagerado nas coisas", brinca, em conversa com a DW Brasil. Ele começou a pedalar por lazer e "de repente já estava dentro do Parapan na Colômbia".

Na última semana, Adauto completou a prova Brasil Ride, percorrendo de mountain bike, numa Tandem, mais de 600 quilômetros na Chapada Diamantina, em sete dias. Seu companheiro de competição foi o triatleta e voluntário no projeto Leandro Macedo, campeão do Circuito Mundial em 1991, dos Jogos Pan-Americanos de 1995, e representante do Brasil nas Olimpíadas de Sidney e Atenas.

Com os últimos resultados, Adauto e Leandro estão se preparando para as Paralimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro.

As rodas também são o meio para tornar acessível uma outra atividade aos portadores de deficiência física: aproveitar um banho de mar. Isso parecia impossível sobre as cadeiras de roda tradicionais, mas com o uso das chamadas "cadeiras anfíbias" – com rodas e materiais especiais que permitem locomoção na areia e flutuação – não há mais barreiras.

No estado de Pernambuco, o projeto chamado Praia Sem Barreiras começou na Ilha de Fernando de Noronha, sendo depois implantado nas praias do Recife, Olinda e Porto de Galinhas. Além do banho assistido com as cadeiras anfíbias, o projeto inclui uma tenda de fisioterapia e quadra para prática de vôlei sentado.

Já no Rio Grande do Sul, o projeto Praia Acessível começou no ano passado, sendo realizado em várias cidades do litoral gaúcho. Como os equipamentos adaptados, os cadeirantes podem aproveitar o banho de mar assistido, acompanhado por profissionais de educação física, fisioterapia e terapia ocupacional.

A educadora física Cláudia Alfama, da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e Altas Habilidades (Faders), órgão responsável pelo projeto no estado, explica que a vantagem da equipe de apoio é que o banho de mar acaba tenho funções também terapêuticas.

"O fisioterapeuta está dando banho conversando com os familiares, dependendo do tipo de deficiência, está falando sobre a importância de alongamento, para melhor a qualidade de vida", diz Cláudia. "Nosso objetivo maior é criar uma política de Estado para que as praias de todo o litoral norte, sul e Costa Doce adotem os projetos", aponta a funcionária da Faders.

Fonte: DW

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *