Sine oferece mais de 100 vagas por dia a pessoas com deficiência no RS

Compartilhe:

Para as pessoas com deficiência, às vezes, conquistar uma oportunidade de emprego é a parte mais fácil do processo. O desafio pode estar em conseguir a confiança dos colegas no ambiente de trabalho. É um longo caminho que precisa de apoio, treinamento, respeito e paciência e que pode trazer resultados positivos, tanto individuais como coletivos.

Um exemplo de organização que auxilia neste processo no estado é o Sistema Nacional de Emprego do Rio Grande do Sul (Sine). Diariamente o orgão oferece mais de 100 vagas para pessoas com deficiência só nas agências de Porto Alegre. É possível encontrar oportunidades para auxiliar de nutrição, enfermeiro, professor de enfermagem, técnico de enfermagem, telefonista, médico e muitas outras.

Na capital, os candidatos devem ir até as agências do Sine do centro, do Bairro Azenha ou na agência Tudofácil e apresentar a carteira de trabalho para fazer o cadastro. No interior do estado também sobram vagas para trabalhadores que tenham algum tipo de deficiência, principalmente em Passo Fundo, Pelotas e Rio Grande.

A inclusão de cidadãos com algum tipo de deficiência é garantida por lei federal instituída em 1991 e que determina uma cota mínima de pessoas com deficiência no quadro de funcionários das empresas com mais de 100 funcionários. A cota varia de 2% a 5% dos cargos.

Ademir Teixeira Charão Junior, de 25 anos, é autista e, por causa do transtorno, nunca tinha trabalhado. Mostrar sua competência não foi a parte mais difícil no trabalho. O caminho mais longo foi conquistar a confiança dos colegas e dar sentido à palavra inclusão. O jovem ocupa o cargo de auxiliar administrativo em uma empresa de Esteio, na Região Metropolitana de Porto Alegre, e vem conquistando seu espaço.

“Faço guias de remessas, organizo documentos e coloco nas pastas. Diz que não encontram um erro meu aqui, mas podem acontecer alguns deslizes, mas não nada que mate alguém do coração. O ambiente é legal aqui, eu aprendo uma rotina e sou bastante útil. Depois que comecei a trabalhar aqui passei a acreditar em mim mesmo”, explica o rapaz.

Para a coordenadora do Departamento de Relações com o Mercado de Trabalho do Sine, Ana Rosa Fischer, a importância de prestar este serviço de auxílio na busca de uma recolocação no mercado de trabalho está em fazer com que estas pessoas busquem se estruturar pessoal e profissionalmente.

"Temos no departamento uma sessão que é específica para orientar os nossos servidores em como prestar um melhor serviço para atender pessoas com deficiência. E a segunda coisa é a captação da vaga, que é o momento onde é feito toda a orientação para ver se a pessoa se enquadra com a vaga que está sendo oferecida. Neste momento estamos trabalhando o outro lado, que é o empresário, para que ele também a segurança", explica Ana Rosa.

Mudanças também marcaram a vida profissional de José Lourenço, que trabalha como auxiliar de manutenção em uma empresa de Porto Alegre. Há três anos ele sofreu um acidente que tirou 70% da força de seu braço esquerdo, o que seria um enorme problema para quem depende das mãos para consertar equipamentos. Porém, com o novo emprego, ele mostrou que a dificuldade não é um empecilho. “Eu inventei o meu jeito de trabalhar. Eu trabalhava como uma pessoa normal e hoje eu trabalho do meu jeito. E tem que ser né? A mão direita compensa um pouco a mão esquerda”, diz Lourenço.

A inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho já começa na contratação de estagiários indiferente da pessoa estar no ensino médio, curso técnico ou graduação. O Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) possui desde 1999 o programa CIEE Pessoas com Deficiência, que visa orientar quem pretende conquistar uma vaga.

Fonte: G1 Rio Grande do Sul

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *