Multa moral é aplicada para motorista que desrespeita vaga para pessoa com deficiência

Compartilhe:

O Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de São João da Boa Vista (SP) começou a aplicar uma multa moral para motoristas que estacionam irregularmente em vagas especiais. A medida foi tomada para conscientizar a população sobre a infração, que pode passar a ser grave.

A lei que vigora atualmente no Código Brasileiro de Trânsito estabelece que estacionar em vagas para deficientes ou idosos é infração leve, mas o Senado aprovou uma alteração que torna a infração grave. A multa passaria de R$ 53,20 para R$ 128 reais. A proposta segue para análise na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Mesmo com a placa de sinalização, motoristas ignoram o aviso e estacionam nas vagas destinadas a deficientes. “As pessoas não têm o mínimo de consciência e também o mínimo de educação com as vagas para deficiente físico”, comentou o advogado Osvaldo Gregório Júnior, que utiliza cadeira de rodas.

O advogado Antônio Vassoni também depende de cadeira de rodas e reclama do sofrimento para encontrar vagas disponíveis. "O indivíduo, inclusive, não pode parar atrás porque eu não consigo tirar a cadeira de rodas do porta-malas, tem que ter o respeito porque eu não tenho perna", disse.

Multa moral
Em São João da Boa Vista, além da multa e os pontos na carteira, os motoristas também são alertados a refletir sobre a irregularidade. Apesar de ser moral, o Conselho da Pessoa com Deficiência quer que no futuro haja cobrança, além da multa prevista no código de trânsito. “Com a aprovação do plano municipal, a Comissão Permanente de Acessibilidade tem o projeto de fazer a multa moral e a Zona Azul autuar a pessoa que não respeitar a sinalização”, explicou a presidente do conselho Tania Mallet Maia.

Para aumentar a fiscalização, o Conselho Municipal espera multiplicar o número de agentes morais e qualquer pessoa pode ajudar na conscientização. O fotógrafo Danilo Félix Francisco topou participar da iniciativa e pegou um talão com as notas de aviso da multa moral. "Vou ajudar porque é importante para conscientizar", disse.

Fonte: G1 São Carlos e Araraquara

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *