São Paulo é o estado com mais representantes nas Paralímpiadas Escolares 2013

Compartilhe:

O Estado de São Paulo é a unidade da Federação que terá a maior quantidade de atletas nas Paralimpíadas Escolares:145. A competição será realizada de 25 a 29 deste mês, em São Paulo, com a participação de cerca de 1.300 atletas com deficiência de todos os Estados do país, além do Distrito Federal – estatística que dá às Paralimpíadas Escolares o status de maior evento de atletas paralímpicos do mundo em idade escolar. O Rio de Janeiro é o segundo em número de representantes, com 116, seguido pela vizinha Minas Gerais, 104.

A maioria paulista nas Paralimpíadas Escolares se deve ao incentivo do Governo do Estado, que mantém o Time São Paulo Paralímpico. O programa apoia alguns dos principais atletas paralímpicos nacionais, o que serve de inspiração a jovens desportistas para se dedicarem ao movimento paralímpico.

No quarto lugar geral em número de inscritos está o Pará, com 98 atletas. O alto número de competidores explica-se pelo fato de que uma das grandes estrelas do atletismo paralímpico do Brasil e do mundo atualmente seja do Estado. Alan Fonteles, campeão mundial nos 100m, 200m e 400m (classe T43), e campeão paralímpico em Londres-2012 nos 200m, nasceu em Marabá, a cerca de 680km de Belém, capital do Pará. Foi na região que o velocista conheceu o atletismo e, de lá, despontou para o mundo. Grande influência para as crianças do Estado, Alan competiu pela primeira vez justamente nas Paralimpíadas Escolares, em 2006.

No Centro-Oeste, o Distrito Federal lidera a lista (77). Já no Sul, quem comanda é Santa Catarina (86). E, no Nordeste, o Estado com mais representantes na competição será a Paraíba, com 45. O CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro) também convidou atletas do Reino Unido para disputar a competição. Os britânicos serão representados por 22 competidores, em quatro modalidades.

Nos jogos do ano passado, o Rio de Janeiro venceu com 80 pontos. São Paulo ficou em segundo, com 69, e Santa Catarina em terceiro, com 35. O Estado vencedor é determinado pela quantidade de pontos atingidos em cada modalidade, de acordo com a colocação das equipes ao final das disputas.

Durante os quatro dias das Paralimpíadas Escolares, os atletas disputarão dez modalidades: bocha, judô, tênis de mesa, voleibol sentado, futebol de 5 (para cegos), futebol de 7 (paralisia cerebral), goalball, tênis em cadeira de rodas, natação e atletismo. A cerimônia de abertura será no dia 25, no Auditório Celso Furtado, no Parque Anhembi, às 16h30. E a festa de encerramento no dia 29, no mesmo local, às 18h.

As competições do futebol de 5, futebol de 7, goalball, tênis em cadeira de rodas e natação serão na Escola de Educação Física da Polícia Militar, no Canindé. Já as provas de bocha, judô, tênis de mesa e voleibol sentado, no Parque Anhembi. O atletismo ficará no estádio Ícaro de Castro Melo, no Ibirapuera.

As Paralimpíadas Escolares encerram o calendário anual de competições nacionais do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). O evento é realizado em parceria com o governo do estado de São Paulo, por meio da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, e com a prefeitura da capital paulista.

Serviço:
Paralimpíadas Escolares
Data
: 25 a 29 de novembro

Modalidades: Futebol de 5, futebol de 7, goalball, tênis em cadeira de rodas e natação
Local: Escola de Educação Física da Polícia Militar (Cruzeiro do Sul, 548, Canindé)

Modalidades: Bocha, judô, tênis de mesa e voleibol sentado
Local: Palácio das Convenções no Parque Anhembi (Prof. Milton Rodrigues, 100, Parque Anhembi)

Modalidade: Atletismo
Local: Complexo Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, Ibirapuera (Rua Manoel da Nóbrega, nº 1361; entrada pela Av. Marechal Estênio Albuquerque de Lima)

Confira a lista com a quantidade de atletas por estado:
UF – ATLETAS
AC – 57
AL – 7
AP – 21
AM – 19
BA – 20
CE – 30
DF – 77
ES – 38
GO – 46
MA – 21
MS – 70
MT – 9
MG – 104
PA – 98
PB – 45
PR – 70
PE – 19
PI – 1
RJ – 116
RN – 35
RO – 38
RR – 2
RS – 49
SC – 86
SE – 28
SP – 145
TO – 9
UK – 22
Total: 1282

Fonte: Comitê Paralímpico Brasileiro

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *