Garoto com deficiência pode perder vaga em escola por falta de transporte

Compartilhe:

Uma criança de 6 anos com deficiência física e intelectual está impedida de frequentar as aulas na Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de Ribeirão das Neves, na região metropolitana de BH, por falta de vagas no transporte da prefeitura.

O garoto Pedro não enxerga, não fala e também não consegue se locomover sem ajuda. A mãe Valdinéia Pereira Guimarães conseguiu uma vaga para o filho em uma unidade da Apae. Ele chegou a frequentar a instituição e demonstrou gostar do ambiente.

Depois que a família não conseguiu mais utilizar o transporte contratado pela prefeitura, o estudante está inquieto e fica nervoso dentro de casa. A mãe conta que a situação é ainda mais complicada já que, se Pedro não tiver pelo menos 75% de presença na escola, ele perde o direito à vaga.

— Já fui na prefeitura duas vezes e eles falam que tem que esperar, tem que ficar na fila e talvez ano que vem tenha vaga.

Os gastos com a saúde da criança são grandes. São quase R$ 400 mensais para manipular um dos remédios controlados de Pedro e comprar a quantidade de fraldas que ele usa, sete por dia. Os vizinhos acabam ajudando a família com o que podem. Uma das moradoras da região, Sandra Mara, percebe que o garoto sente falta de frequentar as aulas.

— Ele está sentindo falta da escola, de encontrar com as crianças. Mesmo com deficiência, ele tem o sentimento dele.

A mãe diz que já tentou matriculá-lo em outras instituições de ensino, mas o garoto foi rejeitado por ser deficiente. A Prefeitura de Ribeirão das Neves informou que disponibiliza transporte para alunos cadeirantes e que os veículos estão lotados neste final de semestre. De acordo com o órgão, a criança deve conseguir uma vaga só no ano que vem.

Fonte: R7 Notícias

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *