Inventor cria ‘mouse de língua’ para ajudar pessoas com deficiência física

Compartilhe:

Um protótipo desenvolvido por um empresário de Sarapuí (SP) pode ajudar pessoas com deficiências físicas a usarem o computador. A ideia vem do inventor Edson Ruivo, de 29 anos. Há aproximadamente dois meses, ele desenvolveu um 'mouse de língua'.

O invento ainda não tem nome, mas já rendeu ao empresário mais de seis mil acessos em menos de um mês de um vídeo de apresentação do protótipo postado na internet. A invenção é colocada na boca e, com a língua sob os sensores, o equipamento tem as mesmas funções do mouse comum.

O inventor é formado em Tecnologia da Informação pela Faculdade de Tecnologia (Fatec) de Itapetininga e bacharel em Administração. Ruivo diz que sempre se interessou pela tecnologia e há 10 anos trabalha na área.

Ruivo conta que teve a ideia de desenvolver o ‘mouse de língua’ durante a madrugada. “Fiquei mais de uma hora deitado e imaginando como poderia fazer isso. Já que a tecnologia nos proporciona tantas coisas, porque não navegar na internet usando a língua”, diz.

A primeira atitude do empresário foi pesquisar se o invento já existia. Ele afirma que encontrou uma ideia parecida de um rapaz dos Estados Unidos, mas não era exatamente o que ele tinha imaginado. “Montei toda a estrutura com materiais que eu tinha e o evento funcionou. Foi aí que eu fiz o vídeo caseiro para saber qual seria a reação das pessoas e me surpreendi com a repercussão”, comenta.

O inventor afirma que pretende desenvolver mais a ideia e elaborar um aparelho sem o uso do fio. O objetivo é adaptar para o uso do sistema de bluetooth e desenvolver o equipamento de forma com que seja uma pequena película a ser encaixada no céu da boca. “Assim, o internauta poderá dar os comandos através da língua. Com essa película, o usuário poderá comer e falar normalmente”, diz.

Ainda de acordo com Ruivo, depois do vídeo na rede ele já recebeu proposta de uma grande empresa para dar continuidade ao projeto. O empresário afirma que pretende aperfeiçoar o ‘mouse’ para diversas funções, entre elas, controlar uma cadeira de rodas, ligar a televisão e usar o tablet. O custo da invenção ainda não foi calculado, mas ele aguarda um patrocínio para que o invento seja aperfeiçoado. O processo para patentear a ideia já está em andamento.

Outros inventos
Outro invento que levou o empresário a ficar conhecido na região foi um removedor de vírus de pen drive, chamado de ‘Pen Clear’. O equipamento foi desenvolvido durante o curso da Fatec e teve repercussão na área tecnológica.

Com esse projeto ele concorreu em 2011 na maior feira de tecnologia do país, a Campus Party, realizada na capital paulista. “Eram 1.500 projetos. Fizeram uma seleção e foi para 500. Desse total, foram escolhidos apenas cinco para a final e eu fiquei entre os melhores projetos da feira”, comenta.

Com essa mesma invenção, o empresário participou do projeto “Anjo Investidor”, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), que financia jovens com ideias inovadoras. O pen clear já foi patenteado internacionalmente e o empresário está em busca de investidores. “As pessoas devem criar mais. Devemos encontrar algo que possa revolucionar”, conclui.

Em entrevista ao G1, Ruivo comentou que sua primeira invenção foi a de um violão que fazia a afinação sozinho. Mas, como ninguém apostou no projeto, acabou desistindo. “Também pensei em uma escova de dente que tocasse música, mas não cheguei a elaborar”, comenta.

Durante três anos seguidos o empresário participou da’ Guerra dos Robôs’, um campeonato internacional que acontece na cidade de Amparo (SP). “Levei três meses para construir o robô e ele foi destruído em sete segundos. Mas o que vale mesmo é a experiência e aprendizado”, ressalta.

Abaixo, vídeo de demonstração:

 

Fonte: G1 Itapetininga e Região

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *