Surdos têm intérpretes de Libras em todo Paraná para exames do Detran

Compartilhe:

Projeto desenvolvido pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran/PR) regionalizou a contratação de intérpretes na Língua Brasileira de Sinais (Libras). Isso vai permitir que motoristas e candidatos à primeira habilitação com deficiência auditiva tenham atendimento em todas as regiões do Estado, gratuitamente.

A medida deve tornar mais ágil o atendimento aos usuários, evitar o deslocamento dos intérpretes e o cancelamento de testes, devido à desistência de profissionais, que optavam por trabalhos mais próximos de Curitiba. Antes, apenas uma associação, com sede na Capital, atendia todo o Paraná.

LICITAÇÃO – O processo de contratação foi feito por licitação, em lotes, e quatro associações já prestam os serviços à população. “Esperamos resolver o problema antigo da falta de profissionais interessados em prestar esse tipo de serviço nas cidades do interior”, diz o diretor-geral do Detran, Marcos Traad.

A Associação Mãos Ungidas atende Curitiba, Região Metropolitana e Litoral, além das regiões de Cascavel, Francisco Beltrão, Londrina, Umuarama e União da Vitória. A Associação Geny de Jesus Souza Ribas atua na região de Ponta Grossa e Telêmaco Borba. A Associação de Pais e Amigos dos Surdos de Foz do Iguaçu (Apasfi) em Foz do Iguaçu e Medianeira e a Associação dos Surdos de Maringá (Assumar), na região de Maringá e Cianorte.

Para melhor atender os usuários com deficiência auditiva, o Detran também oferece o curso de Libras para os servidores da autarquia. Neste ano, foram capacitados 53 funcionários.

PROCEDIMENTO – O candidato à primeira habilitação com deficiência auditiva passa pelos mesmos processos que o candidato comum, mas conta com o auxílio de intérpretes nos exames. Para usufruir o benefício, basta solicitar a presença de um intérprete, com 15 dias de antecedência, no agendamento do serviço.

O intérprete de Libras pode ser solicitado nas avaliações psicológica, médica, teórica, prática e no curso de reciclagem do Detran. O serviço não tem custo adicional para o usuário e todas as despesas são pagas pelo Detran.

Fonte: Agência de Notícias do Paraná

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *