Dia da Pessoa com Deficiência é marcado por ação em bares e hotéis

Compartilhe:

Uma fiscalização educativa em estabelecimentos comerciais da Região Metropolitana do Recife marca o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, comemorado nesta terça-feira (3). A ação promovida pela Superintendência Estadual de Apoio à Pessoa com Deficiência (Sead) percorreu bares e hotéis buscando conscientizar e sensibilizar os profissionais da importância de se estar preparado para lidar com a pessoa com deficiência.

Buscar romper as barreiras arquitetônicas e também de comunicação fazem parte do objetivo. “Em princípio, a gente vai fazer essa visita, essa sensibilização, mostrar o que está na legislação. […] Buscamos mostrar a necessidade de se ter quartos acessíveis, cardápio impresso no sistema braile, garantir que tenha também comunicação em libras, como lidar, como atender a pessoa com deficiência”, enumera o conselheiro da Superintendência, Paulo Fernando da Silva.

A mediação e a conscientização são formas de lidar também com a questão dos empregos, que são garantidos por lei. Empresas que têm entre 101 e 500 funcionários, devem ter 2% do quadro preenchido por pessoas com deficiência, mas nem sempre se consegue encontrar profissionais. O problema, muitas vezes, está relacionado com o tipo de vaga disponibilizado. “A gente percebe que as vagas em geral são para nível técnico ou assistente, para ganhar só um salário mínimo. A pessoa já tem um benefício garantido por lei de um salário mínimo, ela não tem incentivo para trocar”, aponta a superintendente de Apoio Pessoa com Deficiência, Rose Maria dos Santos.

O trabalho de mostrar que a pessoa que tem deficiência não é incapacitada, como já foi chamado anteriormente, é uma das lutas que marcam esse dia. “É preciso um novo olhar, que perceba a habilidade da pessoa, e não a deficiência. Esse é o dia em que precisamos reconhecer esse cidadão e essa cidadã em seus direitos, como a questão do emprego”, reforça a superintendente.

Aqueles que buscam emprego ou têm dúvidas sobre trabalho, carteira pra pessoas com deficiência e outros serviços podem entrar em contato com a Sead pelo telefone (81) 3183-3217. Para fazer denúncias contra quem desrespeita pessoas com deficiência, é possível entrar em contato com a Ouvidoria dos Direitos Humanos através do telefone 0800 081 4421.

Fonte: G1 Pernambuco

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *