Deficiente visual dá lição de vida, forma-se em Direito e passa na OAB

Compartilhe:

Ano Novo é sinônimo de esperança. E para começar 2014 com o pé direito, nada melhor que um bom exemplo de superação. Em São Lourenço (MG), um jovem de 24 anos mostra que não há limites para quando você quer atingir um objetivo. Diego Corrêa se formou em Direito em 2013 e de quebra, passou de primeira no exame da OAB. Algo que seria comum, se o nosso personagem em questão não tivesse 100% de deficiência visual.

Com nascimento prematuro, aos 6 meses e meio de gestação, Diego precisou ficar dois meses internado em uma incubadora. Mas um excesso de oxigênio no equipamento queimou suas retinas. A deficiência visual só seria descoberta pela família quando o menino já tinha 6 meses de vida. Aos 3 anos, Diego entrou na escola e começou a ser alfabetizado com a ajuda de letras feitas em isopor. Na época, nenhuma escola da cidade oferecia a alfabetização em braile.

"Só aos 6 anos comecei a ser alfabetizado em braile e iniciei o ensino fundamental. Às vezes tinha que recorrer a parentes e amigos para que pudessem ler o material pra mim. Mas sempre contei com os professores, que me ajudavam como podiam", conta Diego.

Mesmo com as dificuldades, Diego foi conseguindo conciliar os estudos e a deficiência. O esforço que ele demonstrava resultou em uma bolsa de 100% que o fez estudar da 5ª série do fundamental até o Ensino Médio sem pagar nada.

"Nunca me senti prejudicado perante os meus colegas. Sempre fui incluído. Eles até 'brigavam' para sentar do meu lado e me ajudar. Os professores me ajudavam os materiais (especiais) me ajudavam. Foi tranquila esta parte", disse ele.

Nem o curso de Direito, que exige muito estudo por parte do aluno, assustou Diego. Para isso, ele contou com o que chama de "conjunto de fatores", que o ajudaram. Entre eles, está o uso de um programa de computador que traduz para ele em forma de áudio tudo o que está escrito na tela.

"Eu sempre li bastante, com o auxílio de livros em braile e esse programa, sempre estudei muito. Sempre gostei de história, de leis, de Ciências Humanas. Tive o mesmo material que os colegas tiveram. Competiu a mim sentar e estudar muito. Foi um conjunto de fatores que contribuíram. A internet ajudou muito também, já que através dela pude consultar leis e todo o conteúdo", conta Diego.

A força de vontade emociona amigos que acompanharam de perto a trajetória do estudante, como Fabiano Moutinho, amigo de Diego desde os 11 anos.

"Desde pequeno ele foi muito esforçado, nunca se abateu. O que ele tinha vontade fazia: andava de bicicleta, jogava bola, ele desenvolveu habilidades porque é muito dedicado e por isso conseguiu tudo. De primeira ele passou na OAB, Deus foi muito bom com ele. Outro dia ele me contou que tinha apenas 5% de chances de sobreviver. Ele é uma prova de que a gente sempre consegue o que quer. O exemplo dele é pra gente não desanimar com qualquer coisa não", diz Moutinho.

Agora, o objetivo de Diego é estudar para concursos e advogar. Para quem tem objetivos em 2014 e acha que terá dificuldades pela frente, o novo bacharel dá o recado.

"Nós precisamos acreditar em Deus, que nos dá força para prosseguir. Que as pessoas lutem por seus objetivos e que nunca desistam", diz Diego Corrêa.

Fonte: G1
Foto: Arquivo Pessoal