Lei que obriga tradução em libras em eventos de MT deve valer em 2014

Compartilhe:

Deve entrar em vigor em 2014 a lei que garante a presença de um intérprete da Língua Brasileira de Sinais (libras) em eventos oficiais do Governo de Mato Grosso, da Assembleia Legislativa e em propagandas oficiais. Além disso, um intérprete também deverá ficar disponível para acompanhar surdos em órgãos do governo em Cuiabá, mas a presença deles deve ser solicitada com antecedência.

No último dia 12, a Assembleia Legislativa derrubou o veto posto ao projeto de nº 145/11 e agora a lei aguarda a publicação no Diário Oficial de Mato Grosso para entrar em vigor. A presidente da Associação do Surdos de Cuiabá, Darlene Cristina da Silva, declarou que a iniciativa é importante, pois a falta de intérpretes prejudica o acesso dos deficientes auditivos aos órgão públicos.

“Realmente é uma obrigação ter intérprete nos órgãos públicos e nesses eventos. A gente precisa disso para o surdo ver e ter maiores informações. Porque, por exemplo, em uma palestra o surdo fica excluído, sem ter um intérprete ele não vai ter meio de informações, não vai ter nada, ele simplesmente vai ficar olhando”, declarou.

Segundo o vice-presidente do Sindicato dos Tradutores de Libras Mário Roney, o único empecilho  para a execução da lei é a falta de profissionais na área.

“Hoje nós temos um número reduzido de intérpretes, nós temos uma quantia que não atende ao mercado. Temos escolas que precisam de intérpretes, temos empresas que precisam de intérpretes e de surdos. Por falta de formação e de um órgão, que capacite e qualifique o profissional tradutor, intérprete é um número reduzido. Nós temos um órgão formador de intérpretes, mas ele não consegue atender a demanda”, explicou Mário Roney. O sindicato pretende abrir um curso para formação de profissionais em 2014.

Segundo o Censo Demográfico 2010, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mais de 127 mil pessoas em Mato Grosso têm algum nível de deficiência auditiva. Dessas, 4.391não conseguem ouvir de modo algum.

Fonte: G1