Projeto possibilita atividades à beira-mar para pessoas com deficiência em Capão da Canoa (RS)

Compartilhe:

O sorriso de Janaína Lafourcade, 38 anos, brilhava tanto quanto o sol na beira da praia de Capão da Canoa (RS). Na manhã deste domingo, conduzida pela mãe, Inajara Lafourcade, 58 anos, a jovem pôde se refrescar no mar graças a uma cadeira de rodas adaptada e o apoio de uma equipe especializada.

— Foi nota 10! — resumiu Janaína depois do banho de mar.

Após sofrer uma parada respiratória no momento do parto, ela ficou com uma lesão cerebral que limitou permanentemente os movimentos das pernas e dos braços.

Janaína é a participante mais assídua do projeto Praia Acessível, desenvolvido pela Faders em parceria com a Funders e a Brigada Militar. Educadores físicos e terapeutas ocupacionais proporcionam a pessoas com limitações de locomoção e deficientes visuais a oportunidade de vivenciar a praia, muitas vezes inacessível por falta de espaços adaptados.

— A gente oferece esse suporte na beira da praia, mas até chegar aqui, o deficiente já enfrentou muitos outros obstáculos, como a falta de rebaixamentos adequados no calçadão — exemplifica a terapeuta ocupacional da Faders Maria Fernanda Testa.

No intuito de ampliar a conscientização sobre a acessibilidade, o projeto também colocou à disposição de quem enxerga uma venda. Com os olhos tapados, a pessoa é convidada para um passeio guiado, a pé mesmo, para experimentar a sensação de não saber onde pisa e transpor obstáculos na base da confiança em quem o está guiando. Outra alternativa é pedalar de olhos vendados numa bicicleta dupla.

— Originalmente, a bicicleta foi pensada para que cegos pudessem sentir a brisa do mar pedalando, mas depois surgiu a ideia de provocar as pessoas que veem a se colocar na situação do outro — conta a educadora física da Faders Cláudia Alfama.

Até o final de janeiro, o projeto contará ainda com surfe para cegos.Bocha adaptada e vôlei de praia paralímpico também entrarão na programação. As ações na água são sempre acompanhadas por um salva-vidas.

— É muito importante que todos tenham acesso à praia e nós apoiamos a iniciativa com a preocupação de garantir a segurança dessas pessoas — destaca o coordenador de projetos sociais da Brigada Militar na Operação Golfinho, major Cilon Freitas da Silva.

O espaço fica aberto de sexta a domingo, das 9h às 12h e das 15h às 18h, próximo à guarita 76, em Capão da Canoa.

Fonte: Zero Hora
Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS