Corintiano sem movimento consegue ir a jogo da Copa

Compartilhe:

Ricky Ribeiro sofre de Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), doença neurológica degenerativa que causa atrofia muscular global enquanto a mente permanece intacta. Ele é um apaixonado por futebol e pelo Corinthians e já foi a 19 estádios ver seu time de coração de cadeiras de rodas. Ricky sonhava em ver um jogo de Copa do Mundo no Itaquerão e um dia depois que o UOL Esporte publicou uma reportagem contando o seu drama ele conseguiu!

A mãe de Ricky, Cristina Ribeiro, postou uma foto em seu perfil de Facebook onde ele aparece no estádio ao lado do ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, e do ex-atacante Ronaldo, no dia que Argentina e Suíça jogaram pelo Mundial em São Paulo. "Ricky na Arena Corinthians! Ninguém segura este guerreiro sonhador", escreveu.

Ricky Ribeiro é administrador especialista em mobilidade urbana. Formou-se em administração pública na FGV (Fundação Getúlio Vargas), defendeu sua dissertação de mestrado em  sustentabilidade na Universidade Politécnica da Catalunha (UPC, Espanha) e fez MBA Executivo na Universidade de Barcelona (UB, Espanha).

Em setembro de 2011, Ribeiro lançou o site Mobilize, que se transformou em referência para os formuladores de políticas públicas sobre o tema. Já produziu mais de 300 reportagens e publicou mais de 7.000 notícias, estudos, estatísticas e análises sobre transporte urbano e soluções sustentáveis para o crescimento e desenvolvimento das grandes cidades.

Ricky Ribeiro tem problemas de mobilidade. Em 2008, aos 28 anos de idade, foi diagnosticado com a doença que o deixa acamado, mexendo apenas alguns músculos da face. Ele lê, escreve e fala através de um computador, de um software sueco e da dança do seu olhar.

Após a experiência de acompanhar a partida da Copa in loco, Ricky escreveu ao UOL Esporte, contando como foi sua ida ao Itaquerão:

"Foi perfeito do princípio ao fim. A ida, de ambulância, foi rápida e tranquila, bem diferente das últimas vezes que andei de carro, no início de 2012. Foram dois anos sem sair de casa nem uma única vez. A última saída havia sido em junho de 2012, quando fiquei quinze dias internado para fazer uma traqueostomia.

Na chegada à Arena Corinthians veio a primeira boa surpresa: uma calorosa e simpática recepção pelos voluntários. Já dentro do estádio, fiquei encantado com a estrutura e beleza do local onde ficamos e com a espaçosa área que reservaram para nós. Localizado bem no meio do campo, acima da arquibancada inferior, o local é envidraçado, carpetado e amplo, fornecendo todo espaço e estrutura que eu precisava. Mais uma vez o diferencial foram as pessoas. A todo momento alguém da FIFA vinha até nós oferecendo ajuda e perguntando se precisávamos de algo. Sem saberem mais como me agradar, levaram o Andres Sanches, ex-presidente do Corinthians, e o Ronaldo Fenômeno para eu conhecer. Para mim, este foi um dos momentos de maior emoção, especialmente por eu ser corintiano. Também foi muito gratificante assistir um jogo de Copa do Mundo, com emoção até o final da prorrogação, na nova arena do meu time de coração. Antes de irmos embora, passamos pelo posto médico, onde novamente todos foram muito amáveis e solícitos.

A ida à Arena Corinthians superou todas as minhas expectativas e foi uma experiência inesquecível. A emoção que senti ficará guardada comigo para sempre, mas tão emocionante quanto a ida ao estádio, foi o processo para viabilizá-la. Foi incrível o empenho dos meus pais e o envolvimento de centenas de amigos e de muitas pessoas que eu nem conhecia, mas que não mediram esforços para realizar meu sonho. Sinto que cada uma dessas pessoas, de alguma forma, estava lá comigo neste momento especial."

Fonte: UOL