Frota de táxis em Teresina (PI) poderá ser adaptada para pessoas com deficiência

Compartilhe:

As pessoas com mobilidade reduzida, a exemplo dos cadeirantes, poderão ser beneficiados em breve com acessibilidade nos táxis. A Câmara Municipal de Teresina aprovou, de forma unânime, o projeto de lei que torna obrigatória a oferta de um percentual mínimo de 2% dos táxis da cidade para pessoas com deficiência física ou que possuem alguma dificuldade de locomoção.

O projeto foi para a sansão do prefeito Firmino Filho e, se sancionado, as cooperativas de táxis ainda terão um prazo para se adaptar. Para o autor do projeto, vereador Antônio Aguiar (PROS), com o projeto a ideia era garantir cidadania e inclusão aos cadeirantes. “É um serviço a mais que será oferecido a essas pessoas, gerando cidadania e dignidade. A ideia desse projeto é evitar, por exemplo, o constrangimento de cadeirantes sendo carregados nos braços por taxistas. Nós sabemos que muitos desses profissionais são preparados e sabem como lidar com essa situação, mas não deixa de ser um incômodo para a pessoa com deficiência”, pontua.

Pelo projeto aprovado, os veículos poderão continuar transportando passageiros sem deficiência, só que terão prioridade nos veículos adaptados, pessoas com mobilidade reduzida. “Os taxistas não precisam temer a queda na rentabilidade dos seus serviços. Os táxis adaptados poderão transportar qualquer passageiro, mas, quando um cliente com deficiência ligar solicitando um táxi, deverá ser direcionado um veículo adaptado”, explica.

Projetos semelhantes já são adotados por várias capitais do País, como Fortaleza, Salvador, São Paulo, Recife e Porto Alegre, que já dispõem de uma considerável frota de veículos adaptados para atender as pessoas com deficiência. Idosos, gestantes e demais passageiros que possuem mobilidade reduzida também poderão ser beneficiados com os veículos adaptados. A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) será o órgão responsável por fiscalizar o cumprimento da nova lei por parte das cooperativas de táxi. E os veículos adaptados deverão seguir as padronizações estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito.

Silvana Miranda, tesoureira da Associação dos Cadeirantes do Município de Teresina (Ascamte), considera que a frota de táxis adaptados vai ajudar a suprir a demanda não atendida pelo projeto “Transporte Eficiente”, por meio do qual a Prefeitura oferece microônibus que transportam cadeirantes de forma gratuita. “Os táxis adaptados serão uma nova opção para as pessoas com deficiência. O transporte é decisivo para que nós possamos ir à escola, à faculdade, ao hospital, ou mesmo a um local de lazer. Sem ele, não há como as pessoas portadoras de deficiência terem acesso a todos os direitos que lhes são assegurados constitucionalmente”, afirma Silvana.

Fonte: Portal O Dia