Próteses criadas em impressoras 3D são testadas no Brasil

Compartilhe:

Ortopedistas do Hospital das Clínicas, em São Paulo, começaram a testar o implante de próteses criadas em impressoras 3D.

A impressora 3D trabalha mais de 20 horas sem parar. A impressão pode parecer lenta, mas quando termina, estão prontos um dorso e a palma da mão que vão formar uma prótese para amputados.

O projeto é uma parceria entre a Universidade Federal do ABC e o Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas de São Paulo. Uma professora de física adaptou um programa da África do Sul. O trabalho começou quando a equipe do hospital encontrou um amputado disposto a ser voluntário.

“Toda terça-feira a gente vai no Hospital das Clínicas e encontra com ele. Um dedo não está legal, a gente volta, imprime aqui, volta lá de novo. Esse é um trabalho meio que de formiguinha. Mas em oito semanas a prótese ficou como ela está aqui”, diz Maria Elizete Kunkel, coord. do projeto/UFABC.

Ricardo perdeu as duas mãos num acidente de trabalho, desde então, em sessões de fisioterapia, testa a nova mão que um dia irá ganhar. Em casa, sem a prótese, busca maneiras de se tornar independente.

“Às vezes eu pego uma carteira e vou lá, consigo abrir ela assim pra conseguir tirar o dinheiro, contar também às vezes, eu fico mexendo assim. Então a gente vai, o cérebro vai mostrando o que você pode fazer”, conta Ricardo Coura, auxiliar de produção.

As duas próteses são as convencionais que existem à disposição no Brasil há muitos anos. Entre os amputados que recebem estes tipos de próteses, o índice do abandono é de mais de 90% em menos de seis meses. O principal motivo é o peso das próteses. Uma pesa mais de 600 gramas, outra mais de 800 gramas. A que foi feita na impressora 3D não pesa nem 300 gramas.

“O custo dela é muito baixo e a confecção é rápida e fácil. Então a gente colocando nos primeiros dias vai revolucionar um pouco a vida dos pacientes”, afirma Mariana Camargo, terapeuta ocupacional/HC.

Com a prótese, Ricardo vai conseguir novas pequenas vitórias, fundamentais para qualquer pessoa.

“Meu nome é o principal, é a minha identidade”, diz Ricardo.

Fonte: G1