Companhia Ballet Para Cegos Fernanda Bianchini é atração no Sesc Catanduva, em SP

Compartilhe:

Durante a Semana da Pessoa com Deficiência, realizada pela Prefeitura de Catanduva (SP), em parceria com o Sesc Catanduva, APAE e Senac Catanduva, a Cia. de Ballet para Cegos Fernanda Bianchini é um dos destaques da programação. Nesta sexta-feira (22), a partir das 14 horas, a companhia se apresenta no Sesc Catanduva. A entrada é gratuita.

A companhia é a primeira a ter como membros bailarinos com deficiência visual profissionais, sendo a única no mundo. O lema da companhia é aprender a ver a dança com o coração.

A companhia
A ABCFB – Associação de Balé e Artes para Cegos Fernanda Bianchini existe há 18 anos e oferece gratuitamente cursos de dança e artes para crianças e adolescentes cegos e expressão corporal para idosos também com deficiência visual. O ensino é aplicado a partir do método pioneiro desenvolvido por ela mesma para ensinar dança e derrubar todas as barreiras e preconceitos sociais, já que elas têm a dança como uma motivação de vida e a superação dos seus próprios limites.

O método desenvolvido por Fernanda Bianchini resultou na companhia de balé, que mesmo com as dificuldades enfrentadas, a determinação vai além de todos os desafios. A profissional ainda atua como Fisioterapeuta de uma rede de clínicas que leva seu nome. Hoje o grupo já se apresentou em todo o país, além dos muitos convites para dançar para empresas que priorizam espetáculos de superação de limites.

Além disso, eles já receberam visitas, em 2005, a ilustre visita dos Bailarinos do Balé Real da Dinamarca. Em 2007 receberam a visita do bailarino mais famoso do mundo; Mikhail Baryshnikov e sua Cia.; em 2008 receberam o Russian State Ballet e a Cia de David Parsons que presenteia o grupo com uma de suas coreografias.

A companhia já recebeu os seguintes prêmios: Dama comendadora do Estado de São Paulo, comenda dada em 2003 pelo órgão da Cultura Brasileira de São Paulo; título de cidadã emérita de São Caetano do Sul pelo vereador Tite Campanella – 2004; Prêmio Os Melhores do Ano de Empreendedora Cultural da Revista Livre Mercado – 2005; Grande Medalha Di Thiene das mãos do prefeito José Auricchio Junior por ser a personalidade imortal de maior destaque da cidade de São Caetano do Sul; homenagem no Livro Nossa Gente: Nossa Cara, como uma personalidade que se destacou na cidade de São Caetano do Sul devido a seus projetos sociais e culturais com lançamento em 2006; e ainda em março de 2008 foi homenageada pelo Diário do Grande ABC devido seu projeto social, por destaque na sociedade do grande ABC. E em setembro de 2008 recebeu a Medalha do Mérito Educativo pelo SIEEESP, sindicato das escolas particulares.

Mais informações sobre os trabalhos realizados pela ABCFB podem ser acessadas no site.

Fonte: O Regional

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *