Juíza rejeita teoria de crime premeditado e Pistorius se livra de prisão perpétua

Compartilhe:

A juíza Thokozile Masipa rejeitou as acusações de que o crime envolvendo o campeão paraolímpico Oscar Pistorius foi premeditado e que ele cometeu assassinato. Julgado pela morte da namorada, ele chorou nesta quinta-feira no tribunal de Pretória que se prepara para anunciar o veredicto da acusação por assassinato. A leitura e as considerações de Masipa sobre o julgamento devem ir até sexta-feira, e o anúncio da pena pode demorar três ou quatro semanas para ser dado.

Segundo Masipa, não há evidências suficientes para provar que ele deliberou para matar Reeva Steenkamp em fevereiro de 2013. Mais tarde, ela também rejeitou a acusação de assassinato. Com isso, a juíza decidirá se ele é culpado por homicídio culposo.

"Estou falando sobre intenção direta. O Estado claramente não conseguiu provar sem dúvidas que o acusado é culpado de assassinato premeditado", disse ela.

Com isso, Pistorius fica livre de pegar pena de prisão perpétua, que seria composta de 25 anos em cárcere privado (o máximo possível na África do Sul) e o restante do período em liberdade condicional. A pena para assassinato é de, no mínimo,15 anos.

"A corte está satisfeita (em definir) que o acusado conseguia distinguir entre o certo e o errado na hora do incidente", disse a juíza, analisando o resultado de testes psicológicos e refutando qualquer hipótese de que ele estaria fora de si.

Outro ponto abordado foram os gritos ouvidos por testemunhas que estavam fora da casa. Como estas testemunhas nunca haviam ouvido Oscar ou Reeva gritando, a juíza considera que eles não saberiam distinguir quem gritou no momento do incidente, e que poderia ter sido apenas o atleta.

Pistorius, de 27 anos, foi obrigado a passar por uma multidão de jornalistas e cinegrafistas para chegar ao tribunal.

Se o atleta, conhecido como "Blade Runner", fosse considerado culpado pela morte deliberada da namorada Reeva Steenkamp em fevereiro de 2013 ele poderia ser condenado à pena máxima. Sua defesa alega que ele pensou estar atirando em um intruso, e não na ex-modelo.

Pistorius não conseguiu conter as lágrimas quando a juíza Thokozile Masipa iniciou a leitura do veredicto e voltou a chorar em outros momentos. A leitura do veredicto sobre a acusação de assassinato e outras três relacionadas à posse de armas, deve demorar provavelmente dois dias, com as alegações legais explicadas de maneira minuciosa.

A eventual pena de prisão não será pronunciada ao mesmo tempo que o veredicto, mas apenas dentro de três ou quatro semanas, depois de outro processo curto no qual a defesa poderia alegar circunstâncias atenuantes como a deficiência física.

Fonte: UOL

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *