Empresas não são acessíveis para pessoas com deficiência, diz Ardef

Compartilhe:

Enquanto as pessoas com deficiência procuram a qualificação profissional, a falta de acessibilidade nos ambientes de trabalho ainda é considerada pela Associação Rio Branquense de Deficientes Físicos (Ardef) como a maior dificuldade para a inserção no mercado de trabalho. No último domingo (21) foi comemorado o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência.

"O preconceito já diminuiu muito, mas muitas empresas têm escritórios que não são acessíveis. Não tem elevador, não tem banheiro adaptado. Algumas pessoas com deficiência física conseguem se inserir no mercado, mas quando se trata de um cadeirante, aí ele tem mais dificuldade", afirma Roberval Rodrigues, presidente da Ardef.

Para ele, a capital do Acre, Rio Branco, ainda é a cidade com maior acessibilidade, mas a situação nos outros 21 municípios do estado é complicada. "Em alguns municípios não tem transporte coletivo, não existe acessibilidade, e isso dificulta a vida da pessoa com deficiência", afirma.

Ele explica que a acessibilidade é primordial para assegurar o direito das pessoas com deficiência. "Uma das bandeiras que lutamos, e já obtivemos avanços, é em relação ao transporte coletivo, que é muito importante para a pessoa com deficiência, para que ele possa praticar sua cidadania e ter garantido seu direito de ir e vir. Mas para você ter um transporte coletivo acessível é preciso ter uma calçada, um rua acessível", diz.

O presidente da Associação de Deficientes Visuais do Acre (Adevi), Chelton Sampaio, ressalta que o movimento conseguiu várias conquistas no decorrer deste ano para garantir uma maior acessibilidade. "Conseguimos aprovar várias leis este ano, para adaptar as paradas de ônibus, que os bandos emitam extratos em braile, aumento na porcentagem para concursos e estamos batalhando por várias outras", exemplifica.

Preconceito
Chelton afirma que ainda existe bastante preconceito  por parte dos empresários na hora de contratar deficientes visuais.  "Eles costumam achar que o deficiente vai ser incapaz na empresa, julgam antes de dar uma fase de teste", diz.
O presidente da Adevi conhece bem essa realidade, pois já viveu na pele o preconceito na hora de conseguir um emprego "Eu não trabalho atualmente e isso já aconteceu comigo, já deixei de ser contratado por ser deficiente visual. Não fiquei triste, fiquei revoltado. Ser julgado pelos outros é chato", conta.

Fonte: G1

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *