Memorial da Inclusão (SP) apresenta exposição com tema voltado para a acessibilidade

Compartilhe:

As 12 imagens que ficarão expostas de 07/10 a 27/11 no Memorial da Inclusão, em São Paulo, foram feitas por pessoas com deficiência visual. Elas são o resultado de um curso, projeto de extensão do Centro Universitário SENAC, ministrado pelo fotógrafo João Kulcsár, na ADEVA – Associação de Deficientes Visuais e Amigos – em maio deste ano.

De acordo com Kulcsár, os alunos aprenderam a usar a fotografia como meio de expressão criativa e inclusão social, comunicando suas percepções sobre o mundo e despertando a consciência no público vidente sobre a realidade da comunidade cega. A partir da abertura da exposição, as fotos também estarão no site http://www.alfabetizacaovisual.com.br.

Fruto de uma parceria da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e o Centro Universitário SENAC, a exposição apresenta imagens em tamanho 50xm x 75cm. Para os visitantes com deficiência visual, títulos em Braille e fotos menores, trabalhadas em relevo para que eles possam "visualizá-las" por meio do toque. Todas as fotografias exibirão um código QR, com um vídeo do autor se apresentando e falando um pouco da sua obra, uma espécie de audiodescrição.

Serviço:
Exposição fotográfica “Não Vi” – Tema "Acessibilidade"
Local: Memorial da Inclusão
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda
Abertura: 07/10, às 19h
Encerramento: 27/11
Horário: de 2a a 6a feira, das 10 às 17 horas
Entrada gratuita

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *