USP realiza seminário para discutir surdocegueira e deficiência múltipla

Compartilhe:

Com o objetivo de divulgar a produção científica na área e discutir a inclusão escolar de pessoas com deficiência, a Universidade de São Paulo (USP) realiza o 3º Seminário Internacional sobre Surdocegueira e Deficiência entre os dias 29 e 31 de outubro.

O evento é organizado pelo Grupo Brasil de Surdocegueira e ao Múltiplo Deficiente Sensorial e a Associação Educacional de Múltipla Deficiência (AHIMSA), com participação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH-PR) e apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

No dia 29, o evento começa com o credenciamento dos participantes às 8h30, na entrada do auditório localizado na Faculdade de Educação da USP (FEUSP). A partir das 9h, o primeiro debate do evento tem como tema “Políticas Públicas para o atendimento a alunos com surdocegueira e com deficiência múltipla”.

No segundo dia de encontro, serão realizadas oficias como “Comunicação da pessoa com surdocegueira congênita”, “Recursos pedagógicos para deficiência múltipla” e “O trabalho com a família de pessoa com surdocegueira e com deficiência múltipla”.

No último dia do evento, será realizada a conferência “Tecnologia Assistiva para Pessoas com surdocegueira e com deficiência múltipla sencorial” e o debate “Construções e possibilidades de trabalho colaborativo entre universidades e instituições”. As inscrições para o evento podem ser feitas por meio do endereço eletrônico: priscila.manzari@grupobrasil.org.br.

Durante o evento, também serão realizadas exposições e apresentação de experiências sobre a inclusão de pessoas com deficiência.

Para conferir a programação completa, clique aqui.

Fonte: Secretaria dos Direitos Humanos

3 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *