Menino com deficiência visual desenha com a ajuda da memória

Compartilhe:

As limitações visuais do pequeno Lucas das Neves, de 11 anos, que nasceu com glaucoma e má formação da córnea, e atualmente só consegue enxergar um pouco de luz e cor, não o impedem de fazer o que mais gosta: desenhar. Para isso, ele conta com a ajuda da memória, já que, desde o seu nascimento, foi submetido a 24 cirurgias, estas que lhe possibilitaram, em alguns períodos, a ter uma visão melhor, porém nunca normal.

"Ano passado eu tive deslocamento de retina e a minha visão voltou a ficar bem baixa. Mas antes eu conseguia enxergar relativamente bem, andava sozinho e nesta época eu aproveitei para memorizar muita coisa que agora eu transformo em desenho", conta o menino, que mora com a família em Sorocaba (SP). Entre as suas pinturas preferidas, a mais impressionante são os mapas, que ele consegue traçar as linhas de cada região com a exata precisão de um atlas.

A mãe de Lucas, a aposentada Rosana Aparecida das Neves, conta que ele sempre gostou de geografia e história. "Nos períodos em que conseguia enxergar melhor, sempre ficava olhando os livros, o globo, acho que já com a intenção de memorizar o formato de cada região, porque ele sempre teve noção da deficiência dele e, graças a Deus, encara ela de uma forma muito boa", ressaltou a mãe que orgulha-se da capacidade de memorização que o filho adquiriu ao longo dos anos.

Mas os desenhos de Lucas não se restrigem apenas a mapas. Ele também gosta de desenhar animais, paisagens, veículos e personagens dos seus programas de TV favoritos. "As pessoas perguntam como eu consigo fazer isso, mas é que eu já tive a oportunidade de vê-los, de uma forma muito mais detalhada e nítida da que eu vejo hoje. Daí eu memorizei essas imagens na minha cabeça e as associo a certas coisas e objetos para facilitar na hora de colocar no papel."

A técnica que o menino usa para desenhar é a de pulsão, que aprendeu durante aulas especiais em uma escola de Sorocaba. Consiste em uma ferramenta com uma agulha grossa na ponta, que é usada para fazer furos na folha de sulfite. "Só que eu faço os furos ao contrário, para que o desenho saia em relevo do outro lado da folha", explica Lucas, que admite sentir saudades de desenhar com lápis e caneta, mas precisou aprimorar suas técnicas de desenho de outra forma.

'Nasceu praticamente cego'

Rosana conta que os médicos consideram que Lucas "nasceu praticamente cego", já que tinha apenas uma visão lateral. "Aos 22 dias, ele fez o primeiro dos 24 transplantes a que foi submetido na vida. Tivemos que repetir tantas vezes porque as córneas novas, que são transplantadas nos dois olhos, eram sempre rejeitadas pelo organismo", explica a mãe.

Lucas encara a sua deficiência e a rotina de cirurgias com muita tranquilidade. "Já aconteceu de eu fazer a cirurgia em um dia e, em menos de 24 horas, precisar fazer outra, porque meu corpo rejeitou as novas córneas. Só que agora estou há um ano sem fazer nada, mas o meu médico está querendo que eu faça a vigésima quinta cirurgia, para tentar transplantar uma córnea arficial, chamada de ceratoprótese. Se for para ajudar a minha visão, com certeza vou fazer."

O menino, além de impressionar a todos com a precisão dos seus desenhos, ainda dá exemplo de superação. Ao ser questionado de como lidava com a sua deficiência, ele foi enfático ao dizer. "Eu não tenho problema nenhum. Eu encaro muito bem a minha deficiência, não considero que tenho um problema, apenas uma limitação. Mas, mesmo assim, vivo com uma menino normal", finaliza.

Fonte: G1

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *