Mãe de menino com deficiência física faz imagens de falta de acessibilidade em ônibus

Compartilhe:

A mãe de uma criança de quatro anos, com deficiência física, denunciou a falta de acessibilidade de uma linha de ônibus que opera na região metropolitana de Belém. Segundo a dona de casa Lucileia Costa, ao perceber que ela gravava imagens de passageiros ajudando a criança a ser colocada dentro do veículo, o motorista arrancou e foi parar o coletivo três quarteirões depois. O caso foi denunciado às polícia e à Defensoria Pública do Estado.

Lucileia leva Pablo pelo menos três vezes por semana para fazer fisioterapia, e depende do transporte público. "Geralmente eu faço sinal, eles passam direto, fingem que não veem. Quando param, falam que o elevador está quebrado", denuncia. Mãe e filho já passaram por diversas situações constrangedoras.

A Defensoria notificou a Viação Forte, responsável pela linha 40 Horas – Presidente Vargas. O diretor da empresa foi convocado para uma concicliação sobre o caso no dia 18 de novembro. "Caso a empresa se recuse a fazer algum tipo de acordo, ou não cumpra esse acordo, a gente vai entrar com uma ação civil pública para que o judiciário venha a decidir essa demanda", disse o defensor Jhony Fernaneds Giffoni.

"Eu não vou isolar meu filho, simplesmente deixar de sair com ele por conta dessa situação. Por isso eu recorri à defensoria, porque isso tem que acabar, isso não pode ficar assim", afirma Lucileia.

A empresa não quis comentar o caso mostrado na reportagem, mas garantiu que 200 dos seus coletivos já estão equipados para receber pessoas com deficiência e que os funcionários são treinados para usar o equipamento e conduzir o passageiro.

Fonte: G1

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *