Inventores criam tecnologias para inclusão de pessoas com deficiência em SP

Compartilhe:

Inventores e profissionais de diversas áreas estão reunidos em São Paulo para criar produtos que melhoram a vida de pessoas com deficiência. 

Com a boca e um suporte, uma pessoa com tetraplegia consegue tirar fotos. Essa é uma das invenções do TOM, sigla que em português quer dizer "reparar o mundo". O TOM foi inspirado em um projeto israelense.

Josh Gottesman é um dos idealizadores do projeto. É a primeira vez que o evento é recriado fora de Israel, e ele adorou o que viu no Brasil. Acha que os aparelhos podem ser fabricados e vendidos no mundo todo.

“O protótipo, nós fazemos. Virar produto, colocar na prateleira, é com a indústria”, diz Linamara Rizzo Battistella, Secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo.

No evento, tem gente de vários estados brasileiros. Algumas pessoas tinham ideias para desenvolver projetos de acessibilidade. Outras tinham conhecimento em áreas fundamentais para esse trabalho, como engenharia, eletrônica, tecnologia da informação. Então, esse pessoal se uniu, passou a pensar junto e agora está colocando em prática essas ideias.

Uma turma de Uberlândia e de São Paulo criou uma calha: um equipamento usado por atletas de bocha paraolímpica. Daniele Martins tem tetraplegia e é tricampeã brasileira do esporte. “É o extremo da inclusão. É você procurar recursos tecnológicos que possam inserir os deficientes no esporte. Isso é muito bom para a gente”, disse Daniele Martins.

De um grupo saiu o aplicativo para "guiar" a cadeira de rodas. Ele substitui o joystick que existe hoje. “A solução que a gente desenvolveu permite que pessoas sem extensão no braço consigam usar o celular para controlar a cadeira”, explica o engenheiro eletricista Alexandre Martinazzo.

O matemático Marco Pellegrini tem tetraplegia e ajudou a desenvolver um equipamento controlado com a boca que faz com que ele consiga interagir com o que está sua volta. “Isso traz uma situação não só de entretenimento, mas de autonomia. Isso traz privacidade. A gente consegue ter o conforto de poder interagir com aquilo que quer sem precisar do auxílio de outra pessoa. Isso dá acesso ao mundo”, afirma Marco Pellegrini.

Fonte: G1

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *