Espetáculo circense promove a inclusão social em Sorocaba, SP

Compartilhe:

Um espetáculo circense realizado no último domingo (7), em Sorocaba (SP), promoveu a inclusão social e estimulou o pleno exercício da cidadania. A apresentação atraiu famílias inteiras no Sesc de Sorocaba, onde foi realizada a 5ª edição da Semana Inclusiva.

No palco, dez artistas, parte deles com alguma deficiência. Como foi o caso do bailarino Rafael Barbosa. Desde os 15 anos, ele convive com a síndrome dos ossos de vidro e, atualmente, com 24 anos, se diz aprendiz da vida e fez da cadeira de rodas seu instrumento de transformação. "A gente não pode se limitar, temos que querer sempre mais e eu estou buscando me aperfeiçoar sempre".

A apresentação circense marcou o encerramento da 5ª edição de um projeto importante que mostrou que todos podem ser iguais. Foram vários dias de intensa programação e, com isso, a Semana Inclusiva reafirmou mais uma vez que o limite físico é mero detalhe quando se tem boa vontade e uma sociedade menos preconceituosa.

"Com as atividades que realizamos, artistícas, esportivas e de lazer, nós mostramos que a pessoa com ou sem deficiência podem se incluir", destacou o monitor de esporte do Sesc, Alisson Martins.

Para a diretora da companhia Circodança, Susi Bianchi, é hora de valorizar a eficiência, e mostrar que a diferença existe. "A gente nem fala sobre deficiências. Nós queremos mostrar, na verdade, as eficiências das pessoas. Por que quem não tem uma deficiência, não é verdade". finaliza a diretora.

Fonte: G1

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *