​Usuários de patins, skates e cadeiras de rodas podem utilizar ciclovias em São Paulo

Compartilhe:

Os usuários de triciclos, quadriciclos, patins, patinetes, skates e cadeiras de rodas podem circular pelos 204 km de ciclovias e ciclofaixas da cidade de São Paulo (SP). A circulação, antes proibida, foi autorizada pelo decreto 55.790, do prefeito Fernando Haddad, publicado no DOC (Diário Oficial da Cidade) em 15 de dezembro. A medida também beneficia usuários de bicicletas de carga, com ou sem reboque atrelado, e ainda veículos de propulsão elétrica, não comparados a ciclomotores, como cadeiras de roda motorizadas.

Segundo a coordenadora de planejamento cicloviário da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), Suzana Nogueira, esse é mais um espaço e mais uma opção onde essas pessoas poderão circular. Ela diz que skatistas, patinadores ou pessoas com deficiência compartilhavam o espaço somente com o pedestre em calçadas com obstáculos e desníveis e, agora, há mais uma alternativa. 

O Programa de Metas 2013-2016 da cidade também prevê a implementação de 850 mil metros quadrados de passeios públicos acessíveis e 100% da frota de ônibus com acessibilidade.

Segundo a secretária da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marianne Pinotti, é importante lembrar que a pessoa com deficiência não vai perder a calçada. “O fato é que agora há mais uma opção para a locomoção e mais uma oportunidade para viver a cidade”, explicou.

Por meio do projeto SP400km, a cidade ganhará 400 km de ciclovias até o fim de 2015. Desde junho deste ano, foram implementados 140 km de vias segregadas, que se somam aos 63 km existentes.

Em 2015, segundo a prefeitura, serão implementadas ciclovias na Avenida Paulista e embaixo do Elevado Costa e Silva, o Minhocão. As duas intervenções têm previsão para serem iniciadas no dia 5 de janeiro e, juntas, somam quase 9 km de vias exclusivas para ciclistas. Ao todo, 12 pontes das 28 existentes nas duas marginas, Pinheiros e Tietê, receberão vias exclusivas para bicicletas.

Fonte: Agência CNT

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *