Garoto de 7 anos ganha prótese inspirada em Star Wars feita com impressora 3D

Compartilhe:

É incrível como a impressão 3D tem facilitado a criação de próteses e dado nova vida a pessoas com deficiência física. O norte-americano Liam Porter tem apenas 7 anos e recentemente foi presenteado com uma prótese impressa em 3D. Nascido sem parte de seu braço direito, o garoto costumava usar uma prótese comum, mas ela era pesada, sem graça e não permitia movimentos. Agora, ele tem a ajuda ideal: leve e simples de ser usada, a prótese se parece com um braço de Clone Trooper, personagem da série de filmes Star Wars.

“A prótese não se movia. Então para uma criança pequena aquilo era nada além de um peso morto. Ele fazia muito sem ela“, afirmou a mãe de Liam ao The Augusta Chronicle. O novo braço foi criado por um homem chamado John Peterson, que imprimiu o modelo através de uma rede colaborativa de criação de próteses chamada E-Nable. O novo braço de Liam demorou três meses para ficar pronto e custou cerca de US$ 300, por volta de R$ 810, enquanto que uma prótese comum pode demorar muito mais e custar na faixa de US$ 9 mil, ou R$ 24 mil.

A prótese do garoto conta ainda com um sistema de engate que permite prender qualquer acessório a ela. Como você vê no vídeo abaixo, o pequeno Liam não teve dificuldades em segurar um copo usando o punho flexível. “Há poucas pessoas que têm essa prótese, então você tem que descobrir por si próprio. Agora que ele tem o braço, ele pode ter várias ideias para os acessórios“, explicou Peterson. Além disso, o braço é completamente ajustável, o que significa que Liam poderá aumentá-lo de tamanho à medida que for crescendo.

Assista ao emocionante vídeo em que Liam recebe o braço, cercado de personagens de Star Wars, após sair de uma sessão de cinema:

Fonte: Hypeness

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *