Folião cadeirante faz história em bloco com declaração de amor

Compartilhe:

Analista financeiro, corredor de maratona, porta-bandeira do Carnaval de rua de São Paulo e cadeirante. Rodrigo Bottini, 39, faz história na bateria do bloco Bangalafumenga.

Parte do grupo desde 2012, quando o bloco, originalmente carioca, abriu a filial paulista, ele é lembrado pelos amigos como “aquele que fez uma declaração de amor linda no Carnaval”.

Foi em 2013. Fazia um ano que ele e a publicitária Alline Pecci, 43, estavam juntos. Bottini interrompeu o desfile, com mais de 60 mil pessoas na avenida, e pediu para o cantor do bloco ler uma declaração de amor.

“Começava assim, não esqueço: ‘Alline, meu amor…’, conta ela, sorridente. Continuava com a história do casal. Os dois tocam surdo e se conheceram nos ensaios do Bangalafumenga.

Durante um ano, eles foram só amigos. Até que ele a convidou para fazer um bate e volta ao Rio de Janeiro.

“Achei uma loucura. Ele é muito mais descolado do que eu. [É como se] Não existe cadeira de rodas”, lembra Alline, sua “maior admiradora”.

Ela titubeou, mas ele comprou as passagens mesmo assim e a buscou em casa. “Aí sim me interessei. Sempre achei ele um gato, mas nunca nem imaginei que pudesse rolar. Não era preconceito, era medo do desconhecido.”

Alline contou que “estava de bobeira na vida” quando entrou para a bateria do bloco. “Não conhecia ninguém. Agora, tenho uma família.”

Usuário da “handbike”, uma bicicleta que se pedala com as mãos, Bottini corre maratona, viaja, dirige, “levo uma vida normal. A cadeira não atrapalha nada”, diz, fantasiado e maquiado de empreguete.

Fonte: Folha de São Paulo

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *