Em Belém, primeiro grupo de teatro inclusivo abre inscrições

Compartilhe:

Estão abertas as inscrições para o Cena Especial – Teatro Inclusivo, um projeto de extensão universitária dedicado à formação de atores-inclusivos e criação do primeiro grupo de teatro de Belém especializado em espetáculos cênicos inclusivos. Podem participar do projeto pessoas com ou sem deficiência e com ou sem vivências cênicas. As inscrições, assim como o curso, são gratuitas e podem ser feitas até o dia 4 de março na avenida Gentil Bittencourt, 1144, bairro de Nazaré.

Criado e ministrado pelo poeta, dramaturgo e músico Carlos Correia Santos, o projeto não cobrará dos participantes pagamento de mensalidades. “A ideia é proporcionar a formação do que chamo de atores-inclusivos. Pessoas com mais de 18 anos, com ou não deficiência, dispostas a montar espetáculos que abordem questões relacionadas à Educação Especial e a inclusão social da pessoa com deficiência”, explica Carlos Correia.

Para o dramaturgo, o ator-inclusivo é um artista ciente de seu papel como instrumento da inclusão por meio das artes, que se comunique de forma ampla com surdos, cegos, pessoas com deficiência física, com síndrome de down, autista, entre outros. “Vamos apostar em montagens que mostrem a necessidade que precisamos ter de sempre nos colocar no lugar do outro para, assim, entendê-lo e aceitá-lo”, afirma Correia.

O projeto, que oferece 30 vagas, vai criar espetáculos em que estarão em cena os participantes com e sem deficiência. A plateia também será convidada a experimentar sensações variadas vividas pelas pessoas com deficiência. Essas performances podem ser apresentadas em escolas, salas, espaços alternativos, teatros e centros culturais.

Inscrições
As inscrições pra o projeto Cena Especial – Teatro Inclusivo, seguem abertas até o dia 4 de março de 2015. As inscrições podem ser feitas na Coordenação de Investigação Científica, Pós-Graduação e Extensão da Fibra, na Gentil Bittencourt, 1144 (Nazaré).

A documentação necessária para fazer a inscrição gratuita é a seguinte: RG, CPF e Carta de Apresentação (texto breve com apresentação pessoal, referência se tem ou não deficiência, justificativa do interesse no projeto, e, caso possua, informações sobre experiência com arte). Mais informações pelo telefone 3205-1837.

Fonte: G1

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *