Secretaria da Pessoa com Deficiência de SP homenageia entidades que promovem inclusão de pessoas com Síndrome de Down

Compartilhe:

Nesta sexta-feira, 20 de março, véspera do Dia Internacional da Pessoa com Síndrome de Down, a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida (SMPED) apoiará a sessão solene na Câmara Municipal que homenageará três das principais entidades brasileiras que promovem, por meio de diversas ações, a valorização e a inclusão de milhares de pessoas com Síndrome de Down. As homenageadas serão a APAE SP, o Instituto Olga Kos de Inclusão Social e Associação Carpe Diem. O evento é uma iniciativa do vereador Dr. Rubens Calvo.

Durante o evento, centenas de pessoas com Síndrome de Down ocuparão as cadeiras normalmente usadas pelos vereadores e farão o uso da palavra em mensagens de combate ao preconceito. Haverá também esquete do musical Cats, apresentação de aula de Karate e um tributo ao Adoniran Barbosa com os participantes das entidades homenageadas.

“Considero o trabalho dessas entidades fundamentais e complementam as ações adotadas pelo poder público. Pessoas com Síndrome de Down podem desenvolver suas habilidades e atingir um bom nível de autonomia desde que haja condições favoráveis. Isso inclui o apoio e estímulo da família, educação inclusiva de qualidade e ações para inserção no mundo do trabalho”, comenta a secretária municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Marianne Pinotti.

A Síndrome de Down é causada pela presença de um terceiro cromossomo no par 21, totalizando 47 ao invés de 46 cromossomos como a maior parte da população. Apesar do comprometimento intelectual e de algumas características físicas semelhantes, cada indivíduo tem a sua própria personalidade, sendo um ser único. Estima-se que a incidência da Síndrome ocorre em um a cada 700 nascimentos, sendo a alteração genética mais comum que existe.

Sobre o Dia Internacional da Pessoa com Síndrome Down

A Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down (FBASD) pediu em 2010 o apoio do governo brasileiro para que a data entrasse no calendário oficial da ONU. Em 2012 e com co-patrocínio de 78 países, o Brasil logrou que adotassem uma resolução que decide estabelecer o dia 21 de março (21/3) como o Dia Internacional da Síndrome de Down. O dia foi escolhido porque a data se escreve como 21/3 (ou 3-21, em inglês) – uma alusão à trissomia do cromossomo 21, indicador da Síndrome de Down.

As homenageadas

Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural:

Criado há oito anos, o Instituto Olga Kos de Inclusão Cultural atende pessoas com deficiência intelectual, particularmente Síndrome de Down, e em situação de vulnerabilidade social, por meio de oficinas de artes e esportes, com um único objetivo: abrir um canal de comunicação pela arte e pelo esporte, e, por meio deles, proporcionar a integração com inclusão. Os projetos reúnem artistas plásticos, arte-educadores, pedagogos, psicólogos, educadores físicos e profissionais multimídias.

APAE de São Paulo:

A APAE DE SÃO PAULO é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que há 53 anos, promove o diagnóstico, a prevenção e a inclusão da pessoa com deficiência intelectual, produzindo e difundindo conhecimento. Atua desde o nascimento ao processo de envelhecimento, propiciando o desenvolvimento de habilidades e potencialidades que favoreçam a escolaridade e o emprego apoiado, além de oferecer assessoria jurídica às famílias acerca dos direitos das pessoas com deficiência intelectual. Pioneiro no teste do pezinho no Brasil e credenciado pelo Ministério da Saúde como Serviço de Referência em Triagem Neonatal, o Laboratório APAE DE SÃO PAULO é o maior da América Latina em exames realizados. Por meio do Instituto APAE DE SÃO PAULO, a organização gera e dissemina conhecimento científico sobre Deficiência Intelectual com pesquisas e cursos de formação.

Associação Carpe Diem:

A organização trabalha para que pessoas com deficiência intelectual tenham o desejo de serem incluídas na sociedade com autodeterminação para influenciar e promover a diversidade. Com 18 anos de atuação, a Carpe Diem oferece diversos programas para adultos e jovens com deficiência intelectual e suas famílias, além de serviços para empresas e para a comunidade.

Serviço: Sessão Solene em celebração ao Dia Internacional da Síndrome de Down
Data: 20/03/2015
Hora: 14h às 17h
Local: Câmara Municipal de São Paulo
Endereço: Viaduto Jacareí, 100, Auditório 1º de Maio, Centro

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *