Comitê vê evolução da acessibilidade no Rio: ‘Não vamos passar vergonha’

Compartilhe:

Tema recorrente nas discussões de legado dos Jogos Olímpicos de 2016, a acessibilidade entrou novamente em pauta em um briefing realizado pelo Comitê Organizador do Rio de Janeiro na última segunda-feira. Diante de questionamentos sobre a capacidade da cidade olímpica estar preparada para atender às demandas de pessoas que possuem algum tipo de deficiência – volume que crescerá exponencialmente durante das Paralimpíadas, a gerente de Integração Paralímpica do Comitê Rio 2016 mostrou-se realista, mas garantiu que a sede brasileira não fará feio diante do mundo.

– O Rio 2016 tem trabalhado com os diferentes níveis de governo, com a prefeitura, com o estado, para tornar a cidade mais acessível. A gente sabe que não vai ser 100% acessível em 2016. Nenhuma cidade do mundo consegue melhorar tanto em nove anos, que é o tempo que a gente tem de processo dos Jogos, mas a gente tem trabalhado incansavelmente. Nunca se falou tanto sobre acessibilidade. Os Jogos Paralímpicos são um grande catalisador para essa melhoria da cidade. Eu tenho certeza que a gente não vai passar vergonha. A cidade está melhorando e as pessoas vão poder circular pela cidade, mas com certeza a gente não é utópico e sabe que vai ter muito a melhorar. O que a gente espera é que os Jogos Paralímpicos deixem como legado essa continuação de melhoria da acessibilidade na cidade.

Em março deste ano, o ministro do Esporte, George Hilton, e a Secretaria de Direitos Humanos, Ideli Salvatti discutiram o tema em um encontro em Brasília. De acordo com um levantamento 102 das instalações que se candidataram a receber delegações estrangeiras para a aclimatação para as Paralimpíadas precisariam de obras de adequação para receberem pessoas com deficiência.

Longe de ficar surpresa com esses números, Mariana Mello destacou que essas reformas são uma das várias formas de legado das Paralimpíadas, ampliando inclusive os benefícios do evento para outras cidades brasileiras, não limitando-os apenas ao Rio de Janeiro.

– A gente acredita que os Jogos estão ajudando essas instalações a se reformarem. Porque se elas querem receber delegações paralímpicas elas tem que atender determinados requerimentos. estão se transformando e fazendo obras. A gente sabia que teria dificuldade nessa área, mas acredita que pode ajudar a melhorar. Entendemos a melhoria dessas instalações em todo o Brasil e não só no Rio como um outro legado positivo dos Jogos.

Nesta segunda-feira, a inauguração de uma maquete tátil do Parque Olímpico representou ainda outra vertente de acessibilidade dos Jogos. Com uma planta de 1,3m², a peça conta com miniaturas das nove arenas esportivas (Arenas Carioca 1,2 e 3, Arena do Futuro, Estádio Aquático, Centro de Tênis, Velódromo, Parque Aquático Maria Lenk e Arena da Barra), estão representados também o Centro de Imprensa (MPC), o Centro Internacional da Transmissão (IBC), o hotel de mídia e o Live Site, permitindo que as pessoas com deficiência visual entendam as dimensões e a arquitetura do principal local de competição de 2016.

Fonte: Globo Esporte

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *