Pai e filho superam grave deficiência e se tornam atletas de triatlo juntos

Compartilhe:

O Fantástico contou a história de um pai e de um filho. Um pai que lutou para que o filho viesse ao mundo mesmo sabendo que ele sofria de uma grave deficiência. Um pai que faz questão de mostrar para todo mundo que o que ele pode fazer, o filho pode pelo menos acompanhar.

“Em toda corrida ou algum momento difícil da corrida eu sempre lembrava das pernas dele para me dar mais forças para mim naquela hora de dificuldade, na hora do desconforto”, relembra Neves.

José Rosa das Neves é praticante de triatlo. É do filho Elkier que vêm a energia e a vontade para correr. O rapaz tem 22 anos, mas seu corpo tem o tamanho do de uma criança. É um dos efeitos da mielomeningocele. A doença afeta a coluna, os braços, as pernas, a fala, a respiração, o cérebro e deixa o Elkier totalmente dependente de ajuda.

Toda manhã, em uma casa simples na grande Curitiba, o Luís Iran, irmão de 16 anos, é quem cuida de tudo enquanto o pai trabalha. A mãe dos meninos não mora mais com eles. Durante anos, a vida do Elkier foi limitada as paredes, até que, um dia, o Neves viu que não precisava ser assim: o filho podia participar da sua maior paixão.

Fantástico: Você juntou duas coisas que você ama.

José Rosa das Neves, praticante de triatlo: É, o meu filho e o esporte. Porque muitas vezes eu deixei ele em casa pra ir correr. Não via a hora de terminar a corrida pra voltar pra casa mostrar um troféu pra ele, uma medalha pra ele. Sempre quis isso.

Mas surgiram as dificuldades… “Eu desempregado na época. Fiquei 18 meses desempregados para poder cuidar deles”, conta Neves.

Como levar o Elkier na água na prova de natação? E no trajeto com bicicleta? Um a um, os problemas foram superados. Eles ganharam um barco inflável e um carrinho especial, e começaram a treinar nas ruas do bairro. O filho mais novo decidiu seguir os passos do pai. Virou atleta.

Em 2013, Neves e os dois filhos completaram a primeira prova juntos.

Fantástico: Você sentiu alguma diferença no comportamento dele?

José Rosa das Neves: Dá uma diferença grande porque o mundo dele era uma cama, um sofá, quatro paredes e uma televisão. Quando nós passávamos em frente ao público que tinha no local, que o pessoal aplaudia, ele ficava muito empolgado.

No meio de tantos competidores, lá está a família Neves. Eles chegam bem cedinho para a segunda etapa do campeonato de triatlo, em Brasília. “É uma força de superação que até me emociona. Mais é muita superação. É uma coisa muito bacana de ver. O pai que dando a maior força pro filho. Isso é tudo de bom”, elogia uma atleta.

Mesmo puxando o bote com o filho, o Neves consegue nadar junto com os outros competidores.

Na primeira transição, nnguém pode ajudar o Neves, senão ele pode ser desclassificado. Mesmo com o carrinho, ele manda muito bem! A equipe do Fantástico de moto tem que acelerar pra pegar ele.

O Neves checa se está tudo bem com o filho. A última etapa é a troca da bicicleta pra corrida. O sorriso do filho dá força para seguir em frente.

Minutos antes da linha de chegada, o Luís Iran reencontra o pai e o irmão.

O pai e os dois filhos chegam juntos em mais um triatlo! Uma hora e quarenta e sete minutos: o tempo não importa. Para eles, é como uma vitória. “Precisamos desses exemplos mesmo, viu pai? Pra gente aprender a ser pai. Valeu, hein”, elogia um homem.

Fonte: Fantástico

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *