Projeto é ampliado e reúne familiares de pessoas com diversas deficiências em MG

Compartilhe:

O projeto “Papo de Mãe”, que reúne familiares de pessoas com síndrome de Down para trocar informações sobre a deficiência em Juiz de Fora, foi ampliado. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Social, a partir de agora a ação passa a ter como público-alvo os familiares de pessoas com qualquer deficiência e passa a se chamar “Algo em Comum”.

O próximo encontro está marcado para 12 junho. As inscrições devem ser realizadas no local ou pelo telefone (32) 3690-7215.

Os dois encontros serão às 14h na sede do Departamento de Políticas para a Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos (DPCDH), que fica na Rua São Sebastião, 750, no Centro.

Mudanças
A partir deste mês, as reuniões, que antes eram mensais, passam a ser quinzenais, com encontros às terças e sextas-feiras. Os encontros de terça-feira continuam restritos ao tema “Síndrome de Down”, com oficinas ministradas pelas fonoaudiólogas Cylene Medrado e Patrícia Pogianello.

Já as reuniões de sexta-feira serão abertas aos temas relacionados a todas as deficiências, divididas em duas partes. Na primeira, a chefe do DPCDH, Thais Altomar, debaterá os mitos e verdades que rodeiam as pessoas com deficiência.

Na segunda parte, as supervisoras de Direitos Humanos do departamento, Giane Elisa Sales de Almeida e Ana Paula Machado, conversam sobre diversos temas como objetivo de estimular a promoção dos direitos humanos, além de discutir questões de raça, gênero e sexualidade.

Fonte: G1

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *