Homem tetraplégico gerencia franquia online de camisetas por sensor e voz

Compartilhe:

Os movimentos com a cabeça e a voz do paulista Manuel José da Trindade Neto, 31, bastam para que ele consiga gerenciar seu negócio próprio. Após perder os movimentos dos braços e das pernas em um acidente de moto, o empreendedor viu numa franquia online de venda de camisetas a chance de aumentar a renda. Ele também recebe aposentadoria por invalidez.

Seu site próprio, chamado Nerd Fashion, é operado em casa, por meio de um computador com acesso à internet. Um programa, que usa a câmera como sensor, capta o movimento da cabeça como se fosse o comando do mouse. Ele também usa um software que converte a fala em texto. Assim, Neto, como é conhecido, consegue realizar os procedimentos necessários para o negócio.

Neto é franqueado da rede Camisetas da Hora em Ribeirão Preto (313 km ao norte de São Paulo). Ele revende os produtos da marca num endereço online personalizado. A tarefa do empreendedor é manter a página atualizada, divulgar os produtos, tirar dúvidas de clientes e passar os pedidos para a franqueadora, que é responsável por produção e envio das camisetas.

No dia a dia do negócio, o empreendedor trabalha deitado em uma cama com o notebook sobre um suporte adaptado ou sentado em uma cadeira de rodas com o computador em uma mesa à frente. Para tarefas básicas, como se alimentar e se locomover, ele tem ajuda da mãe.

Neto afirma vender, em média, 500 camisetas por mês, o que lhe rende um faturamento entre R$ 20 mil e R$ 22 mil. O lucro, no entanto, fica entre R$ 5.000 e R$ 6.000. "Com esse dinheiro, consigo pagar minhas despesas médicas e ainda sobra um pouco para o lazer." O empreendedor não detalhou os custos médicos, mas diz fazer fisioterapia e precisar de equipamentos especiais.

Fonte: UOL

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *