Em Roraima, conta de água em braille está disponível para pessoas com deficiência visual

Compartilhe:

A Companhia de Águas e Esgotos de Roraima (Caer) deu um passo rumo a acessibilidade na última quinta-feira (3). A empresa lançou a conta de água em braille para pessoas com deficiência visual. A medida, que é obrigatória de acordo com a Lei 886/2013, ainda não foi adotada pelas companhias de energia elétrica do estado, que também são obrigadas a cumprir a norma.

O presidente da Associação dos Deficientes Visuais do Estado de Roraima (Adivir), Valdecir Rodrigues de Andrade, afirmou que a ação é importante para dar independência aos mais de 18 mil deficientes visuais que residem em Roraima.

"Hoje nós temos muitos meios de independência com os computadores e smartphones, mas é muito triste você receber uma correspondência e ter que pedir para alguém abrir para você. A tecnologia é um grande aliado à pessoa com deficiência, mas o braille é necessário. Isso faz a gente se sentir melhor. Eu posso pegar a minha conta e ler", declarou Andrade.

De acordo com o presidente da Caer, Danque Esbell, para receber a conta em braille em casa, o usuário deve fazer um cadastro na companhia. O consumidor não terá nenhum custo adicional pelo serviço.

Esbell afirmou ainda que a empresa teve que fazer alterações no sistema comercial, treinamento de pessoal e adquirir uma impressora para as novas contas. Segundo ele, cada impressora em braille chega a custar R$ 500 mil.

Companhias de energia também são obrigadas

Autor da Lei 886/2013 o deputado estadual Brito Bezerra (PP) afirmou que a norma também obriga as empresas de telefone e energia a fornecer as contas em braille. Segundo ele, o descumprimento da medida deveria gerar uma multa. Ainda de acordo com a norma, tal penalidade seria  regulamentada pelo poder executivo.

O parlamentar informou que as companhias de telefone já atendem à norma, mas as empresas de energia não. "Quando eu fui procurado pela Adevir, os representantes falaram que, por vezes, as pessoas os enganam quando falam o valor da fatura e, tendo esse dado escrito em braille, os deficientes podem saber o valor real da conta".

Por telefone, a assessoria de comunicação da Eletrobras informou que a empresa não adotou a medida, pois nunca um usuário solicitou a conta em braile, "então a demanda não existe".

O G1 entrou em contato com o governo de Roraima para ouvir a posição da Companhia Energética de Roraima (Cerr) sobre o caso e aguarda retorno.

Foto: Inaê Brandão / G1 RR
Fonte: G1

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *