Música e dança ajudam na reabilitação de pessoas com deficiência

Compartilhe:

Prática de esportes, dança, música e atividades culturais. Além da fisioterapia já tradicional, essas são alternativas muito eficientes tanto para o desenvolvimento físico e motor, como pessoal e social das pessoas com deficiência. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), a reabilitação permite o alcance do nível físico, mental e/ou social ótimo da pessoa com deficiência, dando a ela condições de mudar sua vida.

Na cidade do Rio, a secretaria municipal da Pessoa com Deficiência (SMPD) faz a gestão de seis espaços, os Centros Municipais de Referência da Pessoa com Deficiência, que atendem adultos e crianças com deficiências auditiva, visual, física e intelectual. Os locais contam com equipes multidisciplinares formadas de fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos, intérpretes de libras e instrutores de oficinas. Somente na unidade de Irajá, são atendidas 350 pessoas, diariamente.

A Secretaria tem ainda uma atuação forte dentro das maternidades, para que ao primeiro sinal de que o bebê tem algum tipo de deficiência, ele seja encaminhado para um dos centros. O órgão mantém também creches inclusivas.

"Todas as pessoas com deficiência precisam da reabilitação. Antes, ela era vista como algo feito somente por fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e fonoaudiólogos. Nós abrimos o leque para a prática de atividades físicas, oficinas terapêuticas e para a cultura, com atividades como música, teatro e dança", diz a secretária municipal da Pessoa com Deficiência, Georgette Vidor.

A secretária garante que as atividades culturais servem de estímulo para os deficientes.

"Buscamos mostrar, por exemplo, que a atividade física e a dança são grandes estímulos, já que a fisioterapia é muito monótona. Queremos mostrar também que as oficinas culturais e terapêuticas desenvolvem habilidades para além das motoras", completa ela.

Coreógrafa do grupo de dança Corpo em Movimento, criado pela Associação Niteroiense de Deficientes Físicos (Andef), Camila Rodrigues destaca que a música é uma forma de “mexer” os músculos de uma maneira mais divertida e lúdica. Além disso, ela garante que a dança ajuda na inclusão, já que é possível misturar em uma mesma aula pessoas com e sem deficiência, e também auxilia na aceitação e no resgate da autoestima.

"A música é também uma terapia. Atualmente, no nosso grupo profissional há quatro pessoas com deficiência e três sem. Ao todo, são 42 pessoas com deficiência nas nossas aulas", diz Camila Rodrigues.

A Andef conta ainda com outras atividades, como a prática de diferentes esportes, entre eles, basquete, capoeira, futebol masculino, ginástica e natação. Medalhista paralímpico e gestor do Programa de Geração de Emprego e Renda da instituição, Anderson Lopes reforça que o esporte faz com que a pessoa saia das “quatro paredes” da reabilitação, se desenvolvendo tanto fisicamente, quanto socialmente.

"Na Andef, já pudemos proporcionar a prática esportiva para milhares de pessoas, em uma reabilitação integrada com a fisioterapia. Hoje, temos capacidade de reabilitar entre 250 e 300 pessoas com a prática de esportes. Apesar de termos atletas paralímpicos, que são exemplos e incentivos, muitas vezes, o esporte não é competitivo. É um trabalho de formiguinha, mas temos a certeza que o esporte transformou a reabilitação para melhor", ressalta Anderson Lopes.

Fonte: Jornal do Brasil

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *