Conferência aborda pessoa com deficiência e sua transversalidade

Compartilhe:

Gênero, raça, diversidade sexual e geracional, dentre outros temas, serão debatidos durante a 3ª Conferência Estadual de Direitos da Pessoa com Deficiência, que será realizada nesta terça-feira e quarta-feira (17 e 18), em João Pessoa (PB). O evento ocorrerá na sede da Fundação Centro Integrado de Apoio ao Portador de Deficiência (Funad), com a participação de delegados de vários municípios. Com o tema “Desafios da Implementação da Política da Pessoa com Deficiência: Transversalidade como Radicalidade dos Direitos Humanos”, a conferência começa às 14h, no Auditório Jimmy Queiroga.

Segundo o presidente do Conselho Estadual da Pessoa com Deficiência Genézio Vieira, as pessoas com deficiência são vistas, geralmente, apenas em razão da deficiência que possuem. “Mas somos pessoas humanas e temos características diferentes. A pessoa pode ser deficiente e idosa; a pessoa negra pode ser deficiente; a pessoa lésbica pode ter uma deficiência”, declarou, acrescentando que, geralmente, a pessoa com deficiência não é vista num contexto geral, com características específicas, e isso precisa ser mudado.

A vice-presidente da Associação de Deficientes e Familiares (Asdef), Carolina Vieira, destacou a importância da conferência estadual. “Essa é a hora que a militância e a sociedade civil têm para cobrar mudanças junto aos governantes, para que as políticas sejam executadas. A perspectiva é que, juntos, possamos dividir opiniões, criando um espaço democrático para que todos sejam ouvidos, a fim de trazer propostas viáveis para as políticas públicas da pessoa com deficiência na Paraíba”, declarou.

Carolina Vieira também comentou que a conferência estadual é decisiva para as regiões que não possuem órgãos de controle voltados ao público em questão. “Acabamos, agora, desembarcando em um espaço onde todos os municípios podem planejar e definir em conjunto como se dará o perfil de construção de políticas para as pessoas com deficiência na Paraíba”, disse.

Fonte: Paraíba Total

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *