Projeto Acessibilidade no Ensino Superior, da Unesp, cria site com recursos acessíveis

Compartilhe:

A Unesp, em parceria com o Programa Observatório em Educação – OBEDUC/CAPES,  desenvolve o projeto de pesquisa em rede ACESSIBILIDADE NO ENSINO SUPERIOR, coordenado pelas professoras Sandra Eli Sartoreto de Oliveira Martins (Unesp – Marília) e Lucia Pereira Leite (Faculdade de Ciências – Bauru).

O site do projeto armazena todo o conteúdo produzido pelo grupo de pesquisadores e bolsistas de diferentes instituições de ensino (Unesp, UFSC, UFSCar, UEM, UEL, UFRRJ, UFMS, UTP, USP e UFJF).

O portal atende o conceito de acessibilidade digital. Sua estrutura e organização foi pensada para facilitar a navegação e diminuir as barreiras encontradas por pessoas com deficiência na web.

O site segue as diretrizes da eMAG – Cartilha Técnica do Manual de Acessibilidade do Governo Eletrônico. É desenvolvido com um design limpo e claro para que todos possam acessá-lo. Encontra-se dividido por seções temáticas como, por exemplo, o menu Acessibilidade permite que o usuário entre em uma página do site em apenas um clique.

Os recursos de mídia sonora e audiodescrição estão disponíveis para facilitar o acesso e a compreensão do conteúdo por usuários cegos ou com baixa visão, sendo possível ouvir todo o conteúdo clicando nas opções correspondentes.

Além dessas configurações especiais, o site conta com uma cartela de cores contrastante, o que torna os textos mais legíveis. As fontes são simples e têm um tamanho que pode ser alterado de acordo com a necessidade do leitor.

A acessibilidade na web ainda anda em passos lentos, porém a sua concretização é de essencial importância para que todos possam usufruir dos recursos e benefícios da internet.

Para conhecer, acesse: www.acessibilidadeinclusao.com.br

Fonte: Unesp

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *