Piauí realiza campanha sobre o uso das vagas destinadas às pessoas com deficiência

Compartilhe:

A campanha “Isso não tem vaga” realizada pela Secretaria de Estado para Inclusão da Pessoa com Deficiência (Seid) tem como objetivo educar, sensibilizar e denunciar as pessoas que estacionam irregularmente nas vagas destinadas às pessoas com deficiência.

Desde janeiro, o desrespeito ao uso de vagas destinadas às pessoas com deficiência e idosos passou a ser infração grave com cinco pontos na carteira de habilitação. Além disso, a multa que era de R$ 53,20 passa para R$ 127,69.

Segundo o secretário da Seid, Mauro Eduardo, a ação educativa é um passo importante para conscientizar a sociedade sobre os direitos das pessoas com deficiência. “Essa campanha é um meio de combater o desrespeito e promover a informação. Sabemos que ocupar vagas destinadas às pessoas com deficiência é errado, mas, infelizmente, algumas pessoas insistem em desrespeitar a lei. Isso não pode acontecer!”, frisa o secretário.

Credenciamento

Atualmente, o cartão de credenciamento para estacionamento preferencial é emitido para o motorista e não para o veículo. Dessa forma, a pessoa pode solicitá-lo e utilizá-lo em qualquer veículo.

A pessoa com deficiência interessada em obter o credenciamento deve se dirigir ao Centro de Referência de Assistência Social (CRAs) mais próxima a sua residência munida de documentos pessoais, carteira de habilitação, comprovante de residência e atestado médico comprovando a deficiência. A emissão do documento é realizada pela Strans.

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PI), em breve, emitirá o cartão de estacionamento para as pessoas com deficiências dos municípios onde o trânsito não é municipalizado.

Participe da campanha

“A sociedade espera que a lei seja cumprida, de fato! Ajude-nos a fiscalizar a lei! Caso veja alguém estacionar de forma irregular em vaga destinada à pessoa com deficiência denuncie!”, fala o secretario Mauro Eduardo.

A denúncia deve ser destinada aos órgãos competentes de trânsito, como a Strans. A campanha também oferece canais de comunicação para que a população envie fotos ou denuncie sobre irregularidades nas vagas destinadas às pessoas com deficiência.

Fonte: Portal do Governo do Estado do Piauí

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *