Aplicativo transforma usuários em “olhos” de pessoas com deficiência visual

Compartilhe:

Imagine que você possa ser os "olhos" de uma pessoa com deficiência visual, ajudando esta pessoa com tarefas que vão de escolher a cor de uma camisa a alertar se a validade de um produto venceu. Foi com essa ideia na cabeça que o dinamarquês Hans Wiberg desenvolveu o aplicativo "Be My Eyes" ("Seja Meus Olhos", em tradução livre), que tem ajudado mais de 25 mil cegos no mundo todo.

Para testar o aplicativo, o BOL apresentou a ferramenta para Felipe Diogo, 30, jornalista e deficiente visual, que vive em São Bernardo do Campo (SP). Já de início, foram realizadas algumas chamadas. Na primeira, ele pediu auxílio sobre a cor de um tênis que gostaria de usar e conseguiu o atendimento de uma pessoa identificada como Rui, de São Paulo, que aproveitou para dizer o que o motivou a ser voluntário: "Acho importante ajudar todos que precisam."

Felipe avalia que o "Be My Eyes" facilita muito a ajuda aos deficientes visuais, mesmo com atividades consideradas simples pelo senso comum: "Infelizmente, nem todos os produtos possuem indicação em braile, ou, às vezes, você quer saber o detalhe de uma roupa. É nessa hora que o auxílio se torna importante. É louvável que voluntários disponham do seu tempo para o próximo."

Entretanto, em outra chamada teste, Felipe não conseguiu o que buscava. Ele pediu para um usuário ajudá-lo a encontrar a validade de um pacote de bolacha. Durante cinco minutos, o voluntário Peter deu indicações a Felipe sobre como direcionar a câmera para encontrar as informações na embalagem, mas, por conta de problemas com a câmera, não foi possível visualizar. Peter se desculpou, mas se prontificou a ajudar Felipe em outros atendimentos.

Nas tentativas seguintes, Felipe obteve sucesso, mas alertou sobre o tempo de resposta em alguns casos, nos quais ele chegou a ficar mais de cinco minutos aguardando ou teve que refazer a ligação. "O aplicativo depende da disponibilidade das pessoas para fazer o atendimento. Nessa demora, pode ser que quem quer ajuda vá procurar um outro recurso disponível ou um vizinho talvez. Mas, por se tratar de uma ação voluntária, acredito que vale a pena esperar", opina o jornalista.

Experiências positivas como a de Felipe ajudaram transformar o aplicativo, criado no primeiro semestre de 2015, em um sucesso. Hoje, ele está presente em 140 países e já conta com mais de 339 mil voluntários.

Wiberg, desenvolvedor do aplicativo, que também tem problemas de visão, conta que tudo começou com o uso do iPhone. "Eu utilizava o Facetime (aplicativo para chamadas em vídeo) e falei com alguns amigos cegos que também recorriam a esse recurso de conversação quando precisavam de alguma assistência, mas tínhamos que ligar para algum conhecido. Isso me fez pensar que poderíamos fazer o mesmo só que com um grupo de voluntários que respondesse as chamadas", conta.

Como qualquer voluntário e deficientes visuais em geral podem se cadastrar no aplicativo, surge uma preocupação em relação à qualidade na interação e também à segurança. Pensando em amenizar esses contrapontos, Wiberg recomenda o recurso da avaliação:  "Os usuários podem relatar e avaliar a qualidade do serviço prestado por cada voluntário. Se for identificado que algum usuário age de forma inapropriada, ele é banido do aplicativo. Felizmente, nós temos recebido mais feedbacks positivos do que negativos. Os usuários relatam que estão felizes em ajudar e serem ajudados."

Leonardo Ferreira, 28, técnico em tecnologia assistiva e analista de sistemas, também conta com a ajuda do aplicativo no seu cotidiano. Ele já usava o "Be My Eyes", desde que ouviu falar da novidade. "É uma evolução, uma inovação que vem de encontro ao que a gente sempre queria. Antes tinha que esperar um parente estar acordado para ajudar, para eles olharem coisas para a gente. Com o aplicativo, você aciona um botão, acha um voluntário, e ele te fala o que você precisa", conta.

Leonardo exemplifica o quão simples podem ser as interações: "Você está cozinhando, pega duas latas: uma é de ervilha, a outra é de milho. Então, você precisa saber qual das duas você deve abrir. Para isso, basta acionar o aplicativo, esperar o voluntário atender e mostrar. Isso já aconteceu comigo".

Antenado nas tecnologias de inclusão, o analista de sistemas lembra ainda que o "Be My Eyes" é só um dos aplicativos que facilitam a vida dos cegos. Antes, sem a tecnologia móvel, tarefas como esperar um ônibus, pegar um táxi, ir ao banco ou pedir comida eram bem difíceis de se realizar. Hoje, há aplicativos para tudo e o uso deles facilita e muito a vida dos deficientes. "Cada vez mais, ser cego é menos difícil", comemora.

Fonte: BOL Notícias

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *