Livro de leitura 100% inclusiva conquista leitor mirim

O livro reúne, em um único exemplar, recursos como letras ampliadas, braile, audiodescrição, texturas, aroma e versão em Libras

Cachorra branca e marrom, Missy
Compartilhe:

Quando Izabella Menicucci Badra decidiu colocar a história da cadela Missy no papel, nunca imaginou que fosse escrever uma história comovente e que iria romper barreiras da leitura infantil. “Missy teve que adaptar-se para voltar a ser feliz, e conseguiu, graças ao amor que encontrou na nossa família”, revela a autora, “e eu desejei que essa adaptação pudesse servir de exemplo para as crianças”. Foi assim que o projeto começou: buscando ser algo inclusivo, adaptado, amplificado para quantas mais crianças pudessem ter conhecimento de seu conteúdo.

Lucas Teodoro Abud, hoje com 8 anos, conheceu a história do livro de Izabella na internet. Na época com 5 anos, Lucas já sabia ler. Depois, quando livro foi lançado, encantou-se mais ainda com a possibilidade de conhecer outras formas de leitura: “eu adorei a história da Missy, principalmente o fato dela ter saído de outro continente e vindo morar aqui”, revela o leitor.

Capa do livro mostra a cachorra branca e marrom, Missy.Mas, quando o livro saiu, Lucas encantou-se novamente: “eu adorei que tem o CD com a história, e que eu posso passar as mãos no livro e sentir as letras em braile, como quem não consegue ver”, explica ele. Hoje, ele diz que recomenda para outras crianças: “porque todo mundo pode ler e porque a história é muito legal”.

O sonho de Izabella se tornou realidade: possibilitar que todas as crianças tivessem acesso a ele, mesmo aquelas que não enxergam. O caminho escolhido, então, foi a inclusão: “busquei todos os tipos de ferramentas possíveis para que o livro fosse compreendido pelo máximo de crianças que fosse possível”, explica a autora. A História de Missy virou um case único, 100% inclusivo, vendido pela internet para todo o Brasil. O livro reúne, em um único exemplar, recursos como letras ampliadas, braile, audiodescrição, texturas, aroma e versão em língua brasileira de sinais, Libras, disponível em QRcode, na contra capa do livro, que pode ser acessada pelo link http://www.umpratodo s.com.br/p/historiademissy.

O projeto de Izabella não prevê apenas a venda do livro e dos produtos “História de Missy – Uma história de amor”, mas também proporcionar a experiência de leitura 100% inclusiva para escolas, como já aconteceu com a FAAP, a Escola Municipal José Cândido de Souza e a Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos ANNE SULLIVAN, de São Paulo, que receberam doações do livro. “Aos poucos, vamos levar nossa história e a inclusão para todo o Brasil”, enfatiza.

Fonte: Assessoria

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *