Pessoas com deficiência fazem ‘Cadeiraço’ para cobrar acessibilidade em Rio Claro

Manifestação reuniu centenas de pessoas no Jardim Público da cidade. ‘Nossos direitos estão sendo violados e ninguém está fazendo nada’.

Pessoas protestam em suas cadeiras de rodas, vestindo azul e com balões de aniversário também azuis.
Compartilhe:

Centenas de pessoas participaram de um ‘Cadeiraço’ em Rio Claro (SP) neste sábado (9). Os manifestantes se reuniram no Jardim Público, no Centro da cidade, para cobrar melhores condições de acessibilidade.

“Constantemente os nossos direitos estão sendo violados e ninguém está fazendo nada. Então nós nos reunimos para lutar para que as pessoas respeitem os direitos das pessoas com deficiência”, disse Juliana Oliva, delegada das pessoas com deficiência e uma das participantes do ato.

A ação reuniu cadeirantes e pessoas sem nenhum tipo de deficiência, como a estudante Myriam Roberto Gomes.

“A humanidade é muito egocêntrica. Então, se eu não estou em uma cadeira, para mim tudo bem, ok. Mas aí, se a gente vê toda a luta que eles passam para entrar em uma loja que não tem estrutura certa, para entrar em alguma coisa que não tem estrutura certa, nós vamos estar nos sentindo no lugar deles”, defendeu a jovem.

Obstáculos

O estudante Pablo Coelho também participou da mobilização e contou que não há um dia em que não volte para casa indignado por conta dos desníveis e dimensões de calçadas, ruas e estabelecimentos.

Os mesmos problemas atrapalham o advogado Marçal Casagrande. Ele foi diagnosticado com distrofia muscular há 7 anos. Os músculos foram perdendo a força e, por isso, passou a andar de cadeira de rodas. Hoje, seu desejo é ter liberdade para se locomover.

“Meu maior sonho é não depender de ninguém, é poder atravessar uma rua sem ter que pedir ajuda para ninguém, poder ir ao banco sem precisar de ajuda, ir a um restaurante”.

Fonte: G1

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *