Aula gratuita sobre alfabetização de crianças autistas

Voltado a pais e professores, o curso é ministrado pela psicopedagoga e doutora Dayse Serra nesta quarta, 13, a partir das 20:30

A especialista Dayse Serra ministra aula em um auditório
Compartilhe:

A NeuroSaber promove aula gratuita online sobre educação de autistas para pais e professores quarta, 13, às 20:30, com a psicopedagoga Dayse Serra. A especialista, que também é doutora em psicologia clínica, irá explicar sobre quais são os seis passos do processo de alfabetização de um aluno com Transtorno do Espectro Autista (TEA). O conteúdo do encontro será transmitido pelo site http://entendendoautismo.com.br/, mediante inscrição antecipada no mesmo endereço.

Segundo a Dra. Dayse Serra, a alfabetização de uma criança com TEA começa no entendimento do funcionamento do pensamento do autista, como, por exemplo, suas alterações no que diz respeito a percepção de mundo, as sensações, os medos e seu desempenho linguístico. ”As tarefas com o autista precisam ser estruturadas e adaptadas às características específicas”.

Para a psicopedagoga, primeiramente, é primordial conhecer o nível de gravidade da criança em questão, já que ela pode apresentar transtornos adicionais. “Ou ainda uma gravidade maior. A partir disso será possível projetar um caminho e ver se será um pouco mais longo ou não”.

Outro ponto indispensável para ela é a avaliação psicopedagógica. Essa análise permitirá considerar os aspectos cognitivos, afetivos, psicomotores e sociais do paciente. Ela enfatiza que a importância de se avaliar essas questões é que todas elas, de alguma forma, vão interferir na aprendizagem e mais especificamente na alfabetização. “Vão funcionar como peças de um grande quebra-cabeça”.

Em seguida, a especialista diz que é necessário verificar se o aluno possui habilidades pré-acadêmicas, ou seja, se consegue suportar o ambiente de uma sala de aula. Por isso, deve-se levantar os seguintes pontos com seriedade: será que esse estudante possui habilidades para se concentrar? Ou conseguirá permanecer sentado por algum tempo?

– Com essas respostas podemos prosseguir, pois a etapa posterior se concentra no desenvolvimento da criança. Avaliamos as particularidades relacionadas com a habilidade da teoria da mente, já que a interpretação requer a compreensão do significado e a inferência. É preciso também estar atento no aperfeiçoamento da capacidade de análise e síntese, pois elas são importantes no processo de alfabetização – diz.

O quinto passo, segundo a doutora, é o momento em que a criança toma conhecimento dos elementos contidos em nossa língua como, por exemplo, rimas, fonemas, aliterações, ou repetições de sons de consoantes semelhantes. “Uma boa sugestão é trabalhar com a música, pois facilita o aprendizado”.

A última etapa é a ocasião na qual se inicia todo o processo de aquisição da leitura pela abordagem dos sons, explica a psicopedagoga. Essa fase tem outras divisões, pois apresenta cada fonema e com uma ordem previamente definida e cientificamente comprovada, com o acompanhamento do alfabetizador.

– Ainda assim há um percentual altíssimo de fracassos nessa área. E apesar da diversidade dos métodos, nem todos são adequados para uma criança ou jovem com TEA. É fundamental que o educador pesquise bem para entender o funcionamento do cérebro do autista. Apenas dessa forma será possível fazer as escolhas apropriadas para cada aluno e, assim, poder trilhar um caminho melhor para o aprendizado – reforça.

Sobre a especialista

Dayse Serra é Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense (UFF), Doutora em Psicologia Clínica (PUC-RIO), é Mestre em Educação Inclusiva (UERJ), Pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Ri de Janeiro (FAPERJ) e Membro da Associação Brasileira de Neurologia, Psiquiatria Infantil e Profissões afins (ABENEPI) e Psicopedagoga especializada em TEA.

Sobre a Neuro Saber

O projeto nasceu da necessidade de auxiliar familiares, professores, psicólogos, fonoaudiólogos, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, médicos e demais interessados na compreensão sobre transtornos de aprendizagem e comportamento. A iniciativa tem como objetivo compartilhar informações valiosas para impactar as áreas da saúde e educação, além de unir especialistas do Brasil e do exterior.

Serviço:

Os seis passos do processo de alfabetização no TEA
Quando: quarta-feira, 13, às 20h30
Palestrante: psicopedagoga Dra. Dayse Serra
Site: http://entendendoautismo.com.br/

Fonte: Assessoria

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *