Autora de livro infantil 100% inclusivo na Bienal de Minas

Com letras ampliadas, libras e audiodescrição, livro de Izabella Badra conta a história da cadela Missy e é atração da Bienal do Livro Minas 2016

A autora do livro está deitada no chão ao lado de Missy, a cadela
Compartilhe:
Graças ao sucesso do livro “A História de Missy” [em outra notícia no site Vida Mais Livre], a autora Izabella Badra é uma das convidadas da Livraria da Leitura na Bienal do Livro Minas 2016. Na ocasião, a escritora participa de sessão de autógrafos na abertura do evento neste sábado, 15, das 14h às 15h. “O convite foi especial porque duas razões: primeiro, porque é na minha terra, e segundo, porque terei contato direto com os pequenos leitores e muitos já são fãs da Missy”, revela a autora.
Missy foi trazida ao Brasil já com 5 anos de idade, vinda dos Estados Unidos, porque não podia mais competir com outros cães de sua raça. Precisou passar por uma verdadeira adaptação de língua, costumes, afeição, o que foi feito com atitudes inclusivas. Izabella revela todo o amor envolvido nessa aventura na obra, que mais do que contar a relação entre o cachorro e seus donos, fala muito sobre como é preciso respeitar e abraçar as diferenças.
O livro é vendido online e está sendo distribuído, sob forma de parceria, em algumas escolas, para que ainda mais crianças tenham acesso à sua história de inclusão e adaptação. Já fazem parte desse grupo a FAAP, a Escola Municipal José Cândido de Souza e a Escola Municipal de Educação Bilíngue para Surdos Anne Sullivan, de São Paulo, que receberam doações do livro. “Aos poucos, vamos levar nossa história e a inclusão para todo o Brasil”, enfatiza.
Serviço
Bienal do Livro Minas 2016 – participação de Izabella Badra
Quando: sábado, 15/4, das 14h às 15h
Onde: Expominas
Endereço: Av Amazonas, 6030, Gameleiras, Belo Horizonte, MGFonte: O Girassol

11 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

  3. em algumas companhias de avião (Latam, Gol…) só é permitido o voo gratuito do def.fisico em caso de tratamento médico comprovado, para isso deve preencher cadastro valido por um ano, no caso do acompanhante terá 50% de desconto na viagem. melhores informações no Youtube “Pessoas com deficiência terão passe livre em aviões” ou similares. boa sorte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *