Evento debate inclusão de pessoas com deficiência na construção

Evento acontece na segunda-feira, 16 de maio, no auditório da Escola Senai Francisco Matarazzo, no Brás, em São Paulo

Esqueleto de uma construção civil com um guindaste
Compartilhe:

 

O Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo (SINICESP), promove evento sobre estudo dos desafios na inclusão profissional de pessoas com deficiência na construção pesada. O encontro ocorre em 16 de maio, no auditório Escola Senai Francisco Matarazzo, no Brás, em São Paulo

O trabalho foi desenvolvido em 13 empresas da construção pesada, que concordaram em subsidiar o estudo denominado “Diagnóstico: a indústria da construção pesada e a consolidação da presença de trabalhadores com deficiência”. As empresas participantes foram: Azevedo & Travassos, Camargo Corrêa, Constran, Constroeste, CSO, Encalso, Mendes Jr., OAS, Odebrecht, Sinalisa, Souza Compec, TIISA e Vale do Rio Novo.

A entidade responsável pelo levantamento, o Instituto Amankay, realizou o trabalho por solicitação do SINICESP, sob orientação da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego do Estado de São Paulo. O Diagnóstico faz parte das contrapartidas previstas em acordo tripartite celebrado entre o SINICESP, o Sindicato dos Trabalhadores – SINTRAPAV e a SRTE/SP.

Serviço:
Onde: Auditório da Escola Senai Francisco Matarazzo
Quando: segunda-feira, 16/5, das 8h30 às 12h40
Rua Correia de Andrade, 232, Brás, São Paulo – SP

 

6 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *