Dançando no Museu promove performances inclusivas

O projeto busca relacionar as interações com espaços, pessoas e objetos por meio da dança em locais culturais e é aberto a todos os públicos

Mulher de braços abertos sorri olhando para cima enquanto um homem toca suas mãos
Compartilhe:

O Museu de Arte Contemporânea de São Paulo (MAC) recebe a quarta vivência do Dançando no Museu nesta sexta-feira, 20 é gratuito e a aberto ao público. As performances estimulam a diversidade de público e estimula a convivência entre todas as pessoas, com e sem deficiências.

A metodologia foi criada como mestrado pelo programa de pós-graduação Interunidades em Estética e História da Arte da USP, e pela facilitadora Aila Regina da Silva. O intuito é promover o diálogo entre a arte contemporânea, som e a dança de forma lúdica, além de criar novas percepções sobre esses espaços e promover a atividade cultural gratuita de maneira inclusiva a todos.

Unindo conceitos de mediação, danceability e jogos de dança, a atividade é aberta a públicos de todas as idades, sujeito a lotação máxima de 25 pessoas e é necessário se inscrever com antecedência.

Dançando no Museu
Quando: sexta-feira, 20/5, das 15h às 16h30
Onde: Museu de Arte Contemporânea do Ibirapuera
Endereço: Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301, 6º andar, Ibirapuera, São Paulo – SP
Dentro da Exposição “Samsor Flexor”
Obs.: sujeito a lotação máxima de 25 pessoas, a confirmação de inscrição deve ser feita pelo e-mail aila.regina@usp.br

No vídeo abaixo, uma das vivências ocorridas em março:

 Fonte: Assessoria

9 respostas para “O que aprendi ao falar no TEDx Talks”

  1. Bom dia. Sou pessoa que gagueja e a vida toda sofri com essa dificuldade. Não consigo me expressar a maneira que gostaria. A gagueira me causa sofrimento, tenho 36 anos e sempre gaguejei. No trabalho isso me causa desconforto, porque as pessoas não entendem o que é a gagueira, alguns riem, outros fazem piadas, outros tem pena de mim. Em entrevistas de emprego sou excluída.
    Não sou uma pessoa considerada ” normal”, mas também não sou considerada deficiente. Esse projeto de lei me trouxe esperança. Muito obrigada pela postagem.

  2. Vcs que tem alguma diferença física dos outros, nuncam se sintam inferiores, somos todos iguais. Deus, Ele nos fez perfeitos com muito amor e todos somos capazes, nunca deixe se elevar pelo sentimento ruim de alguém que não sabe se expressar, qualquer ser humano pode superar suas dificuldades, se orgulhe de vcs, são capazes de fazer sempre o melhor, e use a seu favor: a paciência, benovolência e a calma e toda a sabedoria que vcs tem. Um grande abraço meus irmãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *